Códigos de Barras-Perguntas e Respostas

19 01 2014

image

A utilização de códigos de barras na logística das organizações suscita por vezes algumas dúvidas. Este artigo pretende reunir alguma informação para esclarecimentos quanto a este tema, nomeadamente a utilização de códigos de barras para utilização interna, e códigos de barras atribuídos pelas organizações responsáveis.

 

A utilização de códigos de barras para utilização interna dentro de uma organização, por exemplo para a identificação de produtos que são produzidos pela própria empresa e são vendidos por essa mesma organização, directamente ao consumidor final, ou produtos que por alguma razão não estão codificados, não obedece a nenhuma regra especifica quanto à constituição da estrutura do código, desde que cumpra com o número de dígitos da norma utilizada, como por exemplo códigos formados pela norma EAN-13:

 

1111111111116

9999999999994

5600000000007

2222222222222

1234567890005

 

 

Já quando uma determinada empresa produtora deseja colocar os seus produtos no mercado, seja ele interno ou para exportação, terá de codificar os seus produtos segundo as normas da GS1 Portugal (Codipor-Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos). Não sendo uma obrigação legal, é uma obrigação do mercado. Este organismo gere e regula a atribuição dos códigos de barras em Portugal. Cada fornecedor tem um código de barras atribuído pela GS1 e desta forma não existe a possibilidade de existirem 2 produtos com o mesmo código de barras em circulação em toda a cadeia de abastecimento, quer em Portugal quer no resto do mundo. O registo nesta entidade é de resto uma das condições exigidas por parte de muitos operadores económicos, nomeadamente grupos de distribuição e retalho.

 

 

 

Exemplo da constituição de um código EAN13 (European Article Numbering):

Untitled (2)

 

 

 

 

image

Fonte: www.gs1pt.org
1. O que é a GS1?

A GS1 é a organização responsável pelo sistema de Normas Globais de Identificação e Codificação de bens e serviços mais utilizado no mundo – o Sistema GS1.

Está presente em 150 países, através de 110 Organizações Membro, e representa mais de um milhão de empresas de todos os elos da cadeia de valor.

A GS1 Portugal é a entidade licenciada pela GS1 para gerir a totalidade do Sistema de Normas GS1, que inclui as Normas Globais para Identificação, Captura e Partilha automáticas e que permite a identificação ÚNICA e INEQUÍVOCA de itens, activos, localizações e serviços.

 

2. O que é um CEP (Código de Empresa Portuguesa)?

É uma estrutura numérica que identifica, de forma inequívoca e a nível global, uma organização, podendo variar entre 7 e 11 dígitos. Os três primeiros dígitos constituem o Prefixo de País membro da GS1. Em Portugal este prefixo é o 560.

O CEP é utilizado para construir códigos de identificação internacionalmente aceites, permitindo a circulação física de qualquer artigo em qualquer ponto de venda e em qualquer etapa do circuito comercial.

 

3. Como se obtém o Código de Empresa Portuguesa (CEP)?

Para obter um Código de Empresa Portuguesa precisa de aderir à GS1 Portugal: registe-se na nossa área de Associados ou peça o "Kit de Adesão" através do email info@gs1pt.org ou do número de telefone 21 752 07 40.

 

 
4. A GS1 Portugal é a única organização que atribui Códigos de Empresa Portuguesa (CEP´s) no país?

Sim. Em cada país existe apenas uma organização autorizada e habilitada para atribuir esta identificação. No caso português é a GS1 Portugal.

5. Quanto custa tornar-se Associado da GS1 Portugal?

O valor da Jóia é de 150€ para todas as empresas que pretendem associar-se à GS1 Portugal. Já a Quota Anual depende do volume de negócios anual de cada Associado. Assim, existem cinco escalões de quotização, que podem ser consultados aqui.

O pagamento deve ser efectuado juntamente com o envio da documentação devidamente preenchida (valor total da jóia + quota) através de Transferência Bancária, Vale Postal ou Cheque Visado (no caso de envio de cheque não visado, o Código de Empresa Portuguesa – CEP – será enviado pela GS1 Portugal após boa cobrança).

O código será atribuído em 72 horas.

 
6. Quais são as vantagens de ser associado da GS1 Portugal?

Ao associar-se à GS1 Portugal e utilizar as nossas Normas Globais poderá gerir a cadeia de valor de forma mais eficiente:

  • Maior eficiência na gestão de stock
  • Melhoria na gestão de encomendas, programação de vendas, controlo de promoções e recepção/expedição de mercadorias, entre outros
  • Aumento da disponibilidade e rapidez do produto no mercado
  • Criação de um fluxo de informação, do distribuidor ao produtor, que lhe permite obter dados reais sobre o mercado, a partir do ponto de venda
  • Melhoria da programação de entregas e eliminação dos erros através da utilização da Transmissão Electrónica (EDI)
  • Eliminação da "quebra" e tempo decorrente de erros de etiquetagem, digitação do preço, entre outros
  • Melhoria no controlo, visibilidade e eficiência da cadeia de valor
  • Racionalização das operações administrativas devido à utilização de uma linguagem comum nas relações com os produtores e os distribuidores/retalhistas
  • Facilidade de gestão financeira em virtude de se trabalhar com números mais rigorosos e precisos
  • Melhoria das relações entre os parceiros comerciais
  • Aumento da competitividade e rentabilidade, graças a ganhos de eficiência
 
7. Quais são as normas de utilização da identificação e codificação atribuída pela GS1 Portugal?

As normas de utilização comprometem os utilizadores a um conjunto de boas práticas que devem respeitar:

– EXCLUSIVIDADE: o Código de Empresa Portuguesa (CEP) da GS1 Portugal só pode ser utilizado por uma única empresa portuguesa

– CUMPRIMENTO TÉCNICO: utilização e aplicação de acordo com as Especificações Técnicas

 
8. Posso truncar/reduzir o tamanho do Código de Barras?

Não. Este procedimento retira eficiência aos leitores ópticos.

 
9. Posso utilizar qualquer cor para as barras/ fundo?

Não. Algumas combinações de cores podem inviabilizar a captura automática da informação.

Recomendação Principal: branco e preto para fundo e barras, respectivamente. Alternativamente, aconselhamos a utilização de cores escuras para as barras (preto, castanho escuro, verde escuro, azul escuro) e de cores claras para o fundo (branco, amarelo).

 
10. O que significam os números por baixo das barras?

São a tradução numérica do código representado pelas barras e espaços do código de barras (CB). A sua representação é obrigatória, de acordo com as regras do Sistema GS1. Destinam-se a servir de meio de recurso, no caso de uma falha na leitura automática do código de barras.

 
11. Como se constrói um número / código?

A construção varia conforme as diferentes aplicações. A sua construção deve ser feita de acordo com a indicações do Manual de Utilizador.

Para obter mais informação contacte os nossos serviços (info@gs1pt.org ou 21 752 07 40) ou Frequente as Acções de Formação da GS1 Portugal. São muito úteis e entusiasmantes!

 
12. Como se atribuem os códigos de barras aos produtos?

O código de barras (CB) para produtos de peso fixo é atribuído pela própria empresa. Recomenda-se que não exista nenhuma associação significativa, isto é, pretende-se que os números do CB atribuído a um produto não tenha nenhum significado especial. O código de barras para produtos de medidas variáveis é atribuído caso a caso pela GS1 Portugal. Designam-se como Números de Circulação Restrita.

 
13. Como se calcula o dígito de controlo? E onde posso executar essa operação?

O dígito de controlo deve ser calculado automaticamente pelo sistema (software), que imprime os Códigos de Barras. Resulta da aplicação de um algoritmo de cálculo específico ao conjunto de números que o antecedem.

Calcule o seu dígito de controlo aqui.

 
14. Existem diferentes tipos de códigos de barras?

Sim. Mas os códigos de barras do Sistema GS1 (GS1 BarCodes) são os mais utilizados a nível global.

 
15. Que tipo de codificação GS1 existe?

A construção de códigos GS1 varia conforme as seguintes aplicações:

GS1 GTIN-8 ( EAN-8) – Identifica unidades de consumo de dimensões reduzidas. É atribuído exclusivamente pela GS1 Portugal e processado pelos pontos de venda das lojas.

GS1 GTIN-13 ( EAN-13) – Serve para identificar unidades de consumo e é atribuído pelo detentor do Código de Empresa Portuguesa (CEP). É processado pelos pontos de venda das lojas.

GS1 GTIN-14 ( ITF-14) – Identifica unidades de expedição de forma a facilitar processos de gestão de armazém, tais como inventário, manipulação e preparação de pedidos. É atribuído pelo detentor do CEP e não se destina a ser processado pelos pontos de venda das lojas.

GS1-128 (EAN/UCC-128) – Serve para identificar itens comerciais que não se destinem a ser processados nos pontos de venda das lojas, nomeadamente unidades de transporte ou logísticas. É atribuído pelo detentor do CEP.

 
16. O que é o código de “peso variável”?

O termo “Itens Comerciais de Peso/Preço Variáveis” é aplicado para descrever produtos, como o peixe, a carne ou os hortofrutícolas, que são vendidos, encomendados ou produzidos em quantidades não nomalizadas. A sua designação correcta é “Itens Comerciais de Medidas Variáveis”. O Código de Peso Variável pode representar peso, preço ou outras medidas.

 
17. O que é o “código GS1-128”?

É uma codificação baseada na simbologia GS1-128, utilizada para identificar itens comerciais que não se destinem a ser processados nos pontos de venda das lojas, nomeadamente unidades de transporte ou logísticas. É atribuído pela própria empresa detentora do Código de Empresa Portuguesa (CEP) e permite identificar informação adicional de forma normalizada, como por exemplo Datas, Lotes, Quantidades e muito mais.

É uma ferramenta que permite fazer uma Rastreabilidade mais eficiente.

18. Precisa de identificar um produto, um serviço ou localização? Tem aqui os 5 passos para entrar no Sistema GS1

1. Adira à GS1 Portugal para que lhe seja atribuído um CEP – Código de Empresa Portuguesa. Esta será a sua impressão digital na cadeia de valor.

2. Identifique o produto/serviço/localização/serviço e seleccione o tipo de “transportador” que permite codificar a sua Identificação. Por exemplo, um código de barras (Normas GS1 BarCodes), uma etiqueta de rádio-frequência (Normas GS1 EPCglobal), entre outros.

3. Comunique essa Identificação e outros dados aos seus parceiros comerciais. Pode também fazê-lo electronicamente (através de Mensagens Electrónicas Comerciais – Normas GS1 eCom)

4. Actualize a informação sobre os seus produtos/localizações/serviços, sempre que quiser e em tempo real, com os seus parceiros de negócio (através da Rede Global de Sincronização de Dados – Normas GS1 GDSN)

5. Pode utilizar o Sistema GS1 para outras finalidades, como por exemplo:

  • gestão de stocks e produção
  • vales de desconto
  • promoções…
  • rastreabilidade
  • mobile commerce…

As possibilidades são infinitas!

 
19. O que é um Associado Ordinário?

Um Associado Ordinário é aquele que, para efeitos comerciais, tem a necessidade de codificar os seus artigos com o Sistema GS1. Isto é, tem a necessidade de colocar Códigos de Barras nos seus produtos.

20. O que é um Associado Extraordinário?

Um Associado Extraordinário é aquele que, na sua actividade, disponibiliza e desenvolve meios de suporte ao funcionamento do Sistema GS1. Ou seja, fornece equipamentos e soluções diversas que possibilitam aos utilizadores a marcação, captura e funcionamento com as normas do Sistema GS1 (por exemplo, impressoras, leitores, etiquetas, software, etc).

 
21. O que é um Parceiro Tecnológico / “Prestador de Serviços”?

É uma entidade que fornece meios que permitem a implementação do Sistema GS1, sendo reconhecida pela GS1 Portugal como Associado Extraordinário.

 
22. Tenho um número de código barras e quero saber a quem pertence…

Consulte o GEPIR. Trata-se de uma base de dados disponível no menu "Serviços", que disponibiliza informação sobre os detentores dos códigos de barras.

23. Sou importador e tenho produtos sem códigos de barras. O hipermercado “X” diz que só aceita o produto se tiver código de barras. O que fazer?

Adira à GS1 Portugal para que lhe seja atribuído um Código de Empresa Portuguesa (CEP). A partir daí poderá identificar e marcar os produtos em conformidade.

 
24. Pedido de atribuição / consulta de códigos de “peso variável”

Para a atribuição de códigos de “Peso Variável”, o pedido deve ser efectuado por escrito, referenciando:

  • Nome da empresa
  • Designação do produto Estado (fresco, congelado, inteiro, fatiado, posta, etc.)
  • Modo de embalagem (vácuo, atmosfera modificada, saco, caixa, “couvette”, etc.)

No prazo de 48 horas, o associado será informado sobre códigos atribuídos (mercado nacional).

Para consulta da listagem total de códigos de “peso variável” já atribuídos, por favor contacte directamente aos nossos Serviços (info@gs1pt.org ou telefone 21 752 07 40).

 
25. O que são Identificadores-Chave?

Qualquer número de identificação que combina o prefixo de empresa (CEP) com normas de alocação de números de referência é uma chave.

No Sistema GS1, os Identificadores-Chave correspondem às numerações geridas globalmente e utilizadas pelos parceiros comerciais para identificar artigos, unidades logísticas, localizações, entidades legais, bens, relações de serviço, consignações, expedições, entre outros.

 

 

 

——————————————————————-

 

 

 

Era uma vez o Código 560

13 de Julho de 2011 por Hipersuper

Um dos mitos que rodeiam o 560 é o de que a sua presença num código de barras significa que o produto tem origem nacional. Mas será realmente assim?
Todas as histórias têm um começo, e a do código de Barras GS1, que hoje se encontra nas embalagens da maioria dos produtos de grande consumo, teve início a 7 de Outubro de 1952, quando Norman Joseph Woodland e Bernard Silver, ambos estudantes do Instituto de Tecnologia de Drexel, registaram a primeira patente de código de barras, com o número 2.612.994.

A primeira utilização de um código de barras numa superfície comercial só aconteceria 22 anos mais tarde, a 22 de Junho de 1974. Nesse dia, às 8h01, um cliente da cadeia Marsh Supermarkets, no Ohio, EUA, fazia a primeira compra de um produto marcado com um código de barras: uma embalagem de 10 pastilhas elásticas Wrigley’s Fruit Gum. Esta embalagem reservou o seu lugar na história, e está actualmente em exposição no Smithsonian Institute’s National Museum of American History.
Nos anos 70 nascia, assim, o primeiro código de barras do actual Sistema GS1, actualmente utilizado na codificação de produtos de grande consumo em mais de 150 países. Pelo menos 8 biliões de códigos de barras são lidos diariamente, nos quatro cantos do mundo.

O EAN-13 tornou-se o código de barras mais utilizado mundialmente, permitindo a identificação de um produto a ser vendido, movimentado e armazenado. Este código inclui um prefixo de três dígitos que identifica a Organização Membro GS1 responsável pela gestão do código em questão. O prefixo da GS1 Portugal CODIPOR é o 560.

 

Um pouco de história
Na génese da actual GS1 – a organização global que gere o Sistema GS1, do qual faz parte o EAN e outros códigos de barras – estão a Uniform Code Council (UCC) nos EUA e Canadá, e a EAN Internacional, no resto do mundo, que se fundiram em 2005.
Em Portugal, a CODIPOR (Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos) foi constituída a 26 de Novembro de 1985, num momento em que os paradigmas de consumo começavam a mudar, graças à expressão dos hipermercados. A necessidade de assegurar a rapidez e a eficiência da experiência de consumo nestes espaços foi um campo fértil para a introdução do código de barras em Portugal. A automação dos sistemas que lhe é associada significou o fim dos registos manuais, dos erros de digitação de preços e das intermináveis filas de espera na caixa de saída das lojas.

Entre 1985 e 1986, a CODIPOR contava com 140 associadas, entre os quais a Distribuição Organizada e algumas das marcas mais notáveis. Um número que aumentou para 420 em 1987/1988. Os primeiros códigos de barras eram etiquetas coladas nos produtos. Hoje, o “código 560” é parte integrante das embalagens, tal como faz parte das vidas de todos os consumidores portugueses.
Em 2005, resultado da fusão entre a UCC e a EAN Internacional, tornámo-nos GS1 Portugal CODIPOR. Actualmente somos cerca de 7.000 associados, entre detentores de marcas, retalho, prestadores de serviços e outras entidades.

 

560 significa produto português?
Um dos mitos que rodeiam o 560 é o de que a sua presença num código de barras significa que o produto tem origem nacional. Mas será realmente assim?
O 560 é o prefixo atribuído à GS1 Portugal CODIPOR, identificando-a como Organização Membro GS1. Todas as 110 Organizações Membro GS1, que prestam serviços a 150 países, detêm o seu próprio prefixo. O 560 também integra uma outra estrutura numérica que se designa por CEP – Código de Empresa Portuguesa, que contém entre 7 a 10 dígitos, a partir dos quais são construídos os códigos de barras.

O “560” e o “código 560” são marcas registadas pela GS1 Portugal CODIPOR, e só pode ser atribuído por esta Associação.
O CEP é atribuído à entidade proprietária de uma marca, seja esta nacional ou estrangeira, desde que associada da GS1 Portugal CODIPOR. Alguns exemplos de situações em que é possível obter um CEP:
– Uma empresa estrangeira que constitua filial ou sucursal em Portugal, ou tenha um registo comercial português;
– Uma empresa nacional que importe produtos fabricados fora do país e os coloque no mercado português com marca própria;
– Uma empresa portuguesa exportadora, já que os códigos GS1 são reconhecidos em qualquer ponto de venda do mundo. O Sistema de Normas GS1 é global.

 

O oposto também é possível. Um produto produzido em Portugal, ou com forte componente de fabrico nacional, pode obter o prefixo de outra Organização Membro GS1. Basta para isso que a empresa detentora da unidade de produção, mesmo situada em espaço nacional, esteja registada comercialmente noutro país.
Sendo o 560 atribuído ao detentor da marca, este não atesta a origem do produto: como tal, não assegura que se trata de um produto de origem portuguesa.
Neste momento, através do website da GS1 Portugal (www.gs1pt.org) é possível saber que empresas estão a utilizar o 560. Para saber que empresas, no mundo, utilizam um prefixo GS1, consulte uma ferramenta denominada GEPIR, também no nosso website.

Beatriz Águas, Directora de Marketing & Comunicação, GS1 Portugal CODIPOR

 

 

 

——————————————————————-

 

 

 

Fonte: http://560.adamastor.org/informacoes.html

Produtos: Peso Variável
 
Produtos de peso variável:
Todos os produtos de peso variável, distinguem-se obrigatoriamente em dois pontos, o peso e o preço por quilo. Ou seja os produtos de peso variável (exemplo: carnes, queijos) possuem na mesma 13 dígitos no entanto os dois primeiros são variáveis não começando portanto por 560 mas sim por 26, 27, 28 ou 29 resumindo: 
 
PRODUTOR – O produto vem codificado de origem, pelo seu produtor, o prefixo que identifica um código de produto de peso variável é o 27 ou o 29 e o código é atribuído produto a produto pela entidade, GS1 Portugal CODIPOR.
 
RETALHISTA – O produto é codificado no seu ponto de venda,  pelo retalhista, o prefixo que identifica o código de produto de peso variável é o 26 ou 28 e é facultado pelo próprio retalhista.
 
É fundamental verificar sempre, na embalagem a origem do produto, no entanto estes produtos, por vezes, também possuem a certificação de elipse, tal como demonstrado mais uma vez:
 
 

Produtos: Quantidade Variável
 
Produtos de quantidade variável:
Os produtos de quantidade variável, possuem dois factores, que têm que ser considerados: a quantidade e o preço por unidade. São estes dados, que permitem determinar o valor de cada uma das unidades de consumo de quantidade variável.
 
Quando um produto vem codificado da sua origem, ou seja, pelo produtor, o prefixo que identifica um código de produto de quantidade variável é o 25 e o código é atribuído ao produto pela entidade, GS1 Portugal CODIPOR.

 

 

 

 

 

Páginas relacionadas:

https://www.facebook.com/GS1Portugal

http://www.hipersuper.pt/2011/07/13/era-uma-vez-o-codigo-560/

http://media.gs1pt.org/ficheiros/74/GS1%20PT%20Tabela%20de%20Precos_2012.pdf

http://www.gs1pt.org/servicos/tabela-calculo-digito.aspx

http://www.gs1pt.org/servicos/digito-controlo/3/76/calculo-digito-de-controlo

http://media.gs1pt.org/ficheiros/56/5%20passos%20para%20entrar%20no%20sistema%20GS1.pdf

http://pt.wikipedia.org/wiki/Código_de_barras

http://www.invertexto.com/codigo-barras

http://www.adams1.com/upccode.html

http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/novo-codigo-de-barras-vai-ter-mais-informacao-1404061

http://pt.wikipedia.org/wiki/EAN-13

http://a-lupa-de-alguem.blogs.sapo.pt/162394.html?thread=938074

http://www.esenviseu.net/Recursos/Download/Tema_4/CodigosBarras2.pdf

http://560.adamastor.org/informacoes.html

 

 

 

 

Artigos relacionados:

https://invisibleflamelight.wordpress.com/2011/08/20/configurao-bsica-de-um-leitor-de-cdigo-de-barras/

https://invisibleflamelight.wordpress.com/2011/07/18/primavera-express-pos-cdigos-de-barras-com-pesos-e-valores/

https://invisibleflamelight.wordpress.com/2011/02/01/primavera-express-configurao-de-etiquetas-para-um-tamanho-especifico/


Ações

Information

11 responses

23 01 2014
Cristina

boa tarde. como consigo estornar apenas alguns produtos de uma fatura emitida? Ou seja, estornar parcialmente uma fatura através de nota de crédito?

obrigado

30 01 2014
XpecialGUEST

Boa noite,
No Primavera Express, uma vez que não existe um assistente de estorno, deverá Duplicar a FA em NC e simplesmente remover as linhas não desejadas (botão direito do rato > Remove Linha)
Cumprimentos

20 01 2015
Edgar Costa » » Código de Barras

[…] Códigos de Barras: perguntas e respostas […]

2 03 2015
mel solange monteiro

o que e um código de barras

21 01 2016
Paulo Pintassilgo

Não posso comprar códigos de barras em outras fontes? Este site é legitimo e posso usar em Portugal? http://www.codigosrapidos.com/ Fica muito mais barato que a GS1/CODIPOR

21 01 2016
Paulo Pintassilgo

Entretanto encontrei outro site: http://makeabarcode.org/index.php?lang=pt&page=home que faz exactamente o mesmo mas um pouco mais caro que o http://www.codigosrapidos.com

Agradecia que me esclarecesse nesta duvida

24 01 2016
XpecialGUEST

Para esclarecer a sua dúvida penso que a melhor forma é contactar a GS1 Portugal, já que esta é a entidade que atribui Códigos de Empresa Portuguesa (CEP´s) no nosso país.

24 01 2016
XpecialGUEST

Para esclarecer a sua dúvida penso que a melhor forma é contactar a GS1 Portugal, já que esta é a entidade que atribui Códigos de Empresa Portuguesa (CEP´s) no nosso país.

13 06 2016
Carol Bonicio

Sensacional esse artigo. Parabens deve ter dado um trabalhao reunir todo esse conhecimento em um lugar só

21 10 2016
Joao Alves

Sendo eu exportador nacional e associado da GS1 de um produto fornecido a granel mas codificado e o meu cliente estrangeiro detentor de uma marca registada no seu pais onde unicamente é comercializado e embalado por ele a minha pergunta é se ele pode utilizar o codigo de barras que vai mencionado no produto por mim fornecido.

31 10 2016
XpecialGUEST

Boa noite,
Não sei responder a essa pergunta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: