Como utilizar o serviço IPTV numa Smart TV Samsung

5 07 2018

As televisões modernas são autênticos computadores. Ligam-se diretamente à Internet, têm uma loja de aplicações, têm um navegador web, ligações WiFi, Bluetooth e Ethernet, entre outras tecnologias e interfaces. Para a sua função principal, transmitir canais de televisão, algumas Smart TVs, para além do interface HDMI (que permite a habitual conexão de uma tradicional BOX de um operador assim como de outros equipamentos), têm outros interfaces, para ligar por exemplo, um cabo coaxial que permite também visualizar alguns canais que são disponibilizados para clientes sem uma BOX.

 

Resultado de imagem para watch television

 

Algumas Smart TVs de alguns fabricantes, nomeadamente da Samsung e LG, permitem ainda, sem a necessidade de utilizar equipamentos adicionais, aceder a serviços de IPTV (Internet Protocol Television-Televisão por IP), através de uma aplicação instalada na TV. Basta apenas ligar a TV à Internet e configurar a mesma para o efeito. Estes serviços disponibilizam normalmente centenas de canais televisivos, muitos deles não disponíveis na oferta dos vários operadores em Portugal, como a NOS, MEO, Vodafone e NOWO. Dependendo do serviço, podem ser disponibilizados canais dos mais variados países como USA, Espanha, França, Alemanha, Itália, Canadá, Iraque, Arábia Saudita, Ucrânia, Macedónia,  Nepal, Malásia, Coreia do Sul, Malta, Israel, Indonésia, Finlândia, Estónia, Singapura, Suriname, Lituânia, China, Eslovénia, Inglaterra, Cabo Verde, Angola, Bélgica, Rússia, entre outros.

 

Embora seja possível aceder a conteúdos IPTV de forma gratuita, em sites que disponibilizam listas de canais televisivos e outros conteúdos, muitos dos serviços e conteúdos IPTV de qualidade são pagos. Nestes serviços pagos estão normalmente incluídos canais premium, como canais desportivos, caça e pesca, entretenimento, cinema, entre outros. Além disso, muitos fornecedores de serviços IPTV garantem níveis mínimos de disponibilidade e qualidade, e para além de canais televisivos, incluem também rádios e video on demand (VOD), em que é possível ter acesso a filmes e séries. Tal como nos serviços oferecidos pelos operadores, são normalmente disponibilizados canais televisivos em várias resoluções, SD, HD, Ultra HD (4K).

 

IMG_1877

 

A vantagem de utilizar um serviço IPTV diretamente numa aplicação de uma Smart TV, é que não é necessário comprar nenhum outro equipamento, como uma BOX por exemplo, para o efeito. Desta forma é menos um equipamento a consumir energia, menos um comando (uma vez que o comando da TV irá controlar o serviço IPTV) e logicamente menos complexidade. Por depender apenas de uma ligação à Internet, que deve ser suficientemente rápida e estável, os serviços de IPTV podem também ser acedidos em outros equipamentos com Android e iOS como tablets, smartphones e Box’s, computadores, equipamentos dedicados, Raspberry Pi, etc..

 

Nas Smart TVs da Samsung pode ser utilizada a aplicação Smart IPTV (desconheço se existem outras). Esta aplicação, que também está disponível para outras plataformas, permite a utilização gratuita durante 7 dias. Depois disso obriga ao pagamento de 5,49 Euros para continuar a funcionar. Se a App não estiver instalada, procure na loja de aplicações da TV e instale. Em televisões Samsung esta aplicação só está disponível para determinados modelos. Segundo a página da mesma:  “… The application works only on TVs starting from E series. It doesn’t work on C or D series TVs …” No caso da minha TV, modelo UE49MU6505 está disponível.

 

O pagamento  da aplicação poderá ser efetuado dentro da App, após fornecer os dados do cartão de pagamento. Existe outra forma de efetuar o pagamento, através desta página. No meu caso fiz o pagamento diretamente na App e correu tudo bem. É mais fácil e rápido.

 

IMG_1855

 

A aplicação e o interface são muito simples. Esta inclui apenas alguns canais de teste. O pagamento da aplicação serve apenas para continuar a utilizar a mesma após os 7 dias. Não é disponibilizado qualquer serviço IPTV nem canais adicionais após o pagamento.

 

Através da página siptv.eu é possível enviar as listas de canais para a TV, especificando o MAC address da mesma (que é único para cada TV) que é mostrado na App, em diversos locais. Esta operação pode ser efetuada remotamente pelo prestador do serviço (após o utilizador indicar o endereço MAC da TV ao prestador do serviço), ou pelo próprio utilizador, especificando um ficheiro ou um URL. Neste exemplo enviei para a minha TV um ficheiro de teste.

Leia o resto deste artigo »

Anúncios




Feira TECHNOLOGY HUB em Milão-Mini guia para visitantes

20 06 2018

Decorreu de 17 a 19 de Maio de 2018, em Milão, a TECHNOLOGY HUB. Esta feira tecnológica tem um grande enfoque na inovação, tecnologia e no design. A maior parte dos expositores estão relacionados com  a área da tecnologia de impressão aditiva  (Impressão 3D), mas também em tecnologias como drones, iOT, realidade virtual, realidade aumentada, Industria 4.0, robótica entre outras. Para além de encontrar nesta feira muitas empresas que nos seus expositores dão a conhecer a sua área de atuação e os seus produtos e serviços, poderá ainda participar nos mais variados workshops e conferencias (todos, ou quase todos, em italiano).

 

A edição que agora terminou teve 7.353 visitantes, 147 expositores e 112 workshops. A edição de 2019 da TECHNOLOGY HUB ainda não tem data definida, no entanto, tal como nas edições anteriores, deverá realizar-se entre os meses de Abril e Junho.

 

IMG_1300

IMG_1255

 

O acesso ao evento é gratuito se fizer o registo no site do mesmo. Basta imprimir o ticket, que tem um QR Code, e mostrar o mesmo na entrada. Se não fizer o registo, o bilhete terá um custo de 15 EUR para 1 dia. Estudantes universitários têm acesso gratuito de qualquer forma. Basta mostrar o cartão de estudante e preencher um formulário à entrada.

 

 

 

Algumas fotos do evento

IMG_1249

IMG_1257

IMG_1269

Leia o resto deste artigo »





SIMPLEX+2018: Impacto nos sistemas de faturação

11 06 2018

Apresentado recentemente, o SIMPLEX+2018 vem trazer mais novidades nas operações das organizações no que diz respeito à emissão de documentos de venda  e comunicação dos mesmos à Autoridade Tributária.

 

As 3 alterações estão relacionadas com a dispensa de impressão de faturas em papel, a utilização de um QR Code para a identificação dos documentos e a alteração do prazo de comunicação de faturas ao fisco. Em baixo poderá ler um excerto do artigo publicado pelo Dinheiro Vivo e pelo Expresso.

 

Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA

 

Farto de ter de indicar o seu NIF e de guardar as faturas até verificar se elas entraram no Portal do e-fatura? O Simplex + promete acabar com esta relação em papel dos contribuintes com as faturas, sem que estes percam qualquer dedução no IRS.

 

A nova versão da relação entre os contribuintes e o fisco com as faturas (fatura 2.0) também vai mudar, já que o Simplex +, em resposta às sugestões que empresas e particulares lhe fizeram chegar, inclui uma medida (para ser ainda regulamentada) que prevê a dispensa da impressão as faturas em papel. O direito à dedução por parte do contribuinte não se perde uma vez que, através do seu telemóvel, poderá guardar a fatura. Só que em vez de esta ter o seu NIF será identificada por QR Code, o que lhe permitirá mais tarde verificar se foi devidamente comunicada. As empresas também terão a vida facilitada no processo de envio das faturas ao fisco (ainda que deixem de poder usar o NIF dos consumidores para avaliar se têm ou não qualquer hipótese de apagar uma fatura do sistema) e o prazo para o fazerem deverá, de novo, reduzir-se.

 

As faturas vão passar a ter um QR Code que permite o seu envio direto para o e-fatura. Objetivo: evita a cedência de dados pessoais e cria incerteza ao comerciante sobre quais as faturas que chegam ao Fisco. Prazos para a comunicação dos ficheiros com a faturação das empresas também vão encurtar.

Leia o resto deste artigo »





Blocks tem novas impressoras 3D e vão ser controladas pelo smartphone

10 06 2018

Fonte: www.dinheirovivo.pt

 

Empresa está a trabalhar em aplicações móveis para tentar facilitar ainda mais o uso das impressoras 3D.

 

A startup portuguesa Blocks vai lançar novas impressoras 3D no mercado em breve: o principal modelo da marca, a Blocks One, vai ter uma segunda versão, e a empresa também vai lançar versões focadas no mercado empresarial. Os planos para os novos modelos já existiam, mas o investimento de 350 mil euros da Digidelta ajudou a acelerar o plano.

 

Duarte Vasconcelos, à esquerda, segura a impressora Blocks One MKII e Alexandre Guerreiro, à direita, segura o modelo 'low cost' Blocks Zero. Foto: Carlos Costa / Global ImagensDuarte Vasconcelos, à esquerda, segura a impressora Blocks One MKII e Alexandre Guerreiro, à direita, segura o modelo ‘low cost’ Blocks Zero. Foto: Carlos Costa / Global Imagens

 

No início de julho vai ficar à venda a Blocks One MKII. O diretor executivo da startup, Duarte Freire e Vasconcelos, explicou ao Dinheiro Vivo quais as grandes diferenças relativamente ao modelo anterior.

Em primeiro lugar a impressora tem um sistema de autocalibração, o que significa que não é necessário o utilizador afinar à mão a base de impressão sempre que quer produzir algo novo. A Blocks One MKII também tem um sensor de fim de filamento – se o plástico de impressão acabar, a máquina entra em pausa e não imprime ‘em seco’. Por fim o ecrã da impressora vai apresentar um interface mais simples e fácil de usar.

Também há melhorias na construção da própria impressora: a estrutura é em dibond, um composto de alumínio, que deverá traduzir-se numa máquina mais robusta e mais precisa.

Numa pré-venda, a Blocks já comercializou 40 unidades da Blocks One MKII e no início de julho a venda vai ser feita exclusivamente através da internet. Mas até ao final do ano a Blocks pretende ter esta impressora 3D em lojas como a Worten, Media Markt e Jumbo Box – este modelo vai custar 980 euros.

Leia o resto deste artigo »





Sakata3D – Análise ao filamento PLA CHROMA-850 e PLA 850

28 05 2018

No seguimento do artigo Sakata3D – Filamento para Impressão 3D (que deve ler como introdução a este artigo), testei o filamento PLA que a Sakata3D me enviou, que foi utilizado para a impressão de algumas dezenas de modelos. Cada uma das 2 bobinas, PLA CHROMA-850 e PLA 850, tem o peso de 1 Kg e o filamento tem 1,75 mm de diâmetro (este poderá variar +/- 0,03mm).

 

O PLA é o material mais utilizado na impressão 3D doméstica que utiliza tecnologia FDM. É seguro porque tem como base materiais orgânicos renováveis, não produz odores e está disponível numa variedade muito alargada de cores. O grau de dificuldade na sua utilização é muito reduzido. Não é necessária plataforma de impressão aquecida e o warping (deformação/contração) é mais reduzido comparativamente a outros materiais. Também o baixo custo, comparativamente a outros materiais mais avançados, é uma vantagem do PLA. Este material também tem a vantagem de ser amigo do ambiente, já que é biodegradável (em determinadas condições de compostagem) tendo assim um baixo impacto ambiental.

 

O PLA da Sakata3D, baseado na matéria prima Ingeo PLA 3D850, é um PLA avançado, com melhores propriedades térmicas e mecânicas, comparativamente ao PLA standard.

 

IMG_0893

 

Nas 2 bobinas não encontrei nenhum problema relacionado com o enrolamento do filamento. Nenhuma das impressões foi abortada por problemas relacionados com esta questão.

 

No que diz respeito à aderência do filamento à plataforma de impressão e ao warping, mais uma vez nada a registar. A minha impressora, uma Blocks Zero, não tem plataforma de impressão aquecida e todas as impressões foram efetuadas sem problemas. Embora não seja obrigatório quando estamos a utilizar PLA, uma plataforma de impressão aquecida pode ser útil em determinadas situações, nomeadamente em modelos com dimensões maiores onde existe tendência para warping nas extremidades. Assim, se a sua impressora possuir uma mesa aquecida e se a pretender utilizar com este filamento, a temperatura desta deverá situar-se entre os 50°C e 70°C.

 

IMG_0912

 

Apesar deste filamento poder ser utilizado até velocidades na ordem dos 200mm/s, quase sempre imprimo, em média, a 40mm/s, o que também aconteceu com este filamento. A aderência das camadas entre si é perfeita. A quase totalidade das impressões foram efetuadas com layer de 0,2mm.

 

Quanto à temperatura do extrusor, a Sakata3D recomenda que esta se situe entre 190ºC e 230ºC. Escolhi a temperatura de 225ºC que me pareceu ser a mais adequada e que aparentemente permitiu obter melhores resultados. Apesar de não ter efetuado qualquer teste com rigor científico, fiquei com a sensação que o PLA que testei é bastante rígido.

 

 

 

 

Algumas fotos dos artigos que imprimi com o filamento PLA CHROMA-850

Relativamente a esta bobina importa referir que a minha impressora tem uma área de impressão relativamente reduzida (12cm x 14cm x 12cm) e que por esse motivo pode ser difícil de “acertar“ nas impressões escolhidas para ver o resultado em que a cor transita de uma para outra na mesma impressão. O cenário perfeito para utilizar este filamento seria utilizar uma impressora com uma grande área de impressão, nomeadamente em altura (eixo Z), e imprimir modelos suficientemente altos para utilizar várias tonalidades do filamento.

 

Nesta imagem poderá visualizar a diferença de tonalidades das cores, entre as várias camadas da bobina.

IMG_0962

Leia o resto deste artigo »





Faturas com descrição “prato do dia” vão dar multa do Fisco

22 05 2018

Fonte: expresso.sapo.pt

 

Este esclarecimento do Fisco surge na sequência de um pedido de um restaurante/bar inspecionado em julho do ano passado e a quem foi aberto um processo de contraordenação

 

 

Fisco considera incorreto, e com motivo para multas, a emissão de faturas simplificadas com a descrição ‘prato do dia’, ‘fruta do dia’ ou ‘sobremesa do dia’, revela uma informação vinculativa da Autoridade Tributária (AT).

“Tem de separar os pratos das bebidas, e a descrição do serviço prestado aos clientes tem de ser de ser suficientemente precisa para se poder determinar, nomeadamente em sede de inspeção, qual a taxa de IVA aplicável”, explica a AT, numa informação vinculativa divulgada na quarta-feira.

Este esclarecimento do Fisco surge na sequência de um pedido de um restaurante/bar inspecionado em julho do ano passado e a quem foi aberto um processo de contraordenação, com direito a multa, por estarem incorretas faturas que continham a designação ‘prato do dia’, e a respetiva taxa de 13% de IVA (Impostos sobre o Valor Acrescentado), sendo as bebidas e sobremesas faturadas à parte.

A AT alegou tratar-se de uma infração à lei, nomeadamente por omissões ou inexatidões de elementos obrigatórios, que devem constar na fatura, e o restaurante pagou a multa, pedindo de seguida esclarecimentos ao Fisco.

Leia o resto deste artigo »





Primavera Express-Nova atualização disponível

21 05 2018

Está disponível a partir de hoje a versão 7.6000.1308 do Primavera Express. A documentação relativa a esta atualização evidencia a resolução de 3 anomalias. Estas estão relacionadas com o interface do Editor de Vendas, com o tratamento de retenções nos documentos de venda e com a duplicação de documentos de venda. Poderá consultar o detalhe das anomalias mais em baixo.

Como sempre, deverá efetuar uma cópia de segurança dos dados antes de avançar para a atualização. Ao abrir o Primavera Express deverá ser mostrada uma mensagem no canto inferior direito, para iniciar o processo de atualização. Este procedimento também poderá ser iniciado a partir do menu Ajuda > Procurar Atualizações.

 

Resultado de imagem para primavera express

 

 

Anomaly: 24502

Fixed in version: 7.6000.1303

Problem description:

Os botões "Contexto" e "Enviar" estão duplicados no menu superior do Editor de

Vendas.

Observed behaviour

Como Simular:

Numa empresa DEMO:

Aceder ao Editor de Vendas e maximizar

Verificar os botões disponíveis no menu superior

Resultado: Os botões "Contexto" e "Enviar" estão duplicados.

Esperado: Os botões "Contexto" e "Enviar" não deveriam estar duplicados.

 

 

 

Anomaly: 26770

Fixed in version: 7.6000.1306

Problem description:

O quadro de Resumo de Retenções não é mostrado na gravação de Documentos de

Venda.

Observed behaviour

Como Simular:

Numa empresa DEMO:

No Administrador ativar a opção "A empresa fornece serviços que podem estar sujeitos

a retenção" nos Parâmetros de Logística e Tesouraria

No ERP configurar o artigo A0001 para estar sujeito a retenção

Editar a entidade SOFRIO e configurar uma retenção ao Estado

Criar uma FA para o cliente SOFRIO e adicionar uma linha com o artigo A0001

Gravar

Resultado: O ecrã de resumo de retenção não é mostrado.

Esperado: O ecrã de resumo de retenção deveria ser mostrado.

Leia o resto deste artigo »








%d bloggers like this: