Apple iOS-Erro ao ligar a um Hotspot pessoal?

19 04 2019

A funcionalidade Hotspot Pessoal do iOS permite partilhar uma ligação de dados móveis do iPhone ou iPad (apenas algumas versões) com outros dispositivos que não tenham acesso a uma rede Wi-Fi ou ligação a dados móveis. Imagine que se encontra numa zona rural, distante, em que não existem redes Wi-Fi por perto, e necessita de partilhar a ligação à Internet, que tem no iPhone, com outros equipamentos, como por exemplo um iPad. Com o Hotspot, o iPhone, que está ligado à Internet através do operador de telecomunicações (dados móveis), partilha, via Wi-Fi, a ligação com outros dispositivos. É como se o iPhone fosse um router, ou um access point, com a vantagem de ambos os equipamentos poderem utilizar a ligação simultaneamente. Quando um iPhone ou iPad tem o hotspot ativado, está a disponibilizar a ligação a outros equipamentos e existem ligações ativas, não é possível ligar-se a uma rede Wi-Fi sem desconectar os utilizadores do hotspot. No caso de um Mac, PC, ou outros equipamentos de terceiros, também é possível aceder a um Hotspot pessoal através de uma conexão Bluetooth. A ligação via cabo USB também pode ser utilizada, mas apenas com Mac e PC. Mais detalhes aqui.

 

Em determinadas circunstâncias poderá ser mostrado um erro que impede a conexão de um dispositivo (neste exemplo um iPad) a um hotspot que foi configurado num iPhone ou iPad. Neste caso o meu iPad estava a tentar aceder ao hotspot que tinha configurado no iPhone.

 

Remote Hotspot Failure

Unable to start personal hotspot “nome_do_hotspot”

IMG_1698

Leia o resto deste artigo »





Rumos Tech Sessions: Segurança nas Redes Empresariais: Evolução, Desafios e Ameaças!

10 11 2015

Fonte: www.rumos.pt

A evolução das tecnologias e complexidade das soluções de redes empresariais, assim como a procura de meios para melhorar a produtividade e eficiência dos seus processos de negócio, acabam por colocar em causa a segurança da infraestrutura e dos seus dados. Soluções emergentes relacionadas com a computação na nuvem, big data, mobilidade e BYOD, expõem as empresas a novos desafios em termos de segurança dos dados face à crescente adoção de dispositivos móveis ligados à infraestrutura a partir de qualquer lugar, em qualquer instante.

 

image

 

Neste contexto, a rede unificada surge como uma estratégia para combinar o melhor das redes com e sem fios, para oferecer uma experiência de alta qualidade e segura aos seus utilizadores.

Este evento irá focar os mecanismos tradicionais de segurança que existem nas redes empresariais (routing e switching), os novos desafios e as tecnologias adotadas no acesso unificado e por fim, incluir uma pequena demonstração "live" de como algumas funcionalidades podem ser exploradas nos equipamentos Cisco e quais as medidas de mitigação que poderão ser usadas para minimizar o seu impacto.

Leia o resto deste artigo »





Já há empresas portuguesas a pagar pelo resgate de bases de dados

8 02 2015

Fonte: Exame Informática

Nos últimos seis meses, deram entrada cerca de uma dúzia de queixas de sequestros de bases dados na PJ de Lisboa. Os resgates chegam aos 10 mil euros – e são, em muitos casos, a única forma de recuperar os dados.

 

 

Na PJ, ninguém o diz abertamente, mas há uma elevada probabilidade de as vítimas de hackers que sequestram bases de dados, não terem outra alternativa senão pagar os resgates que lhes são pedidos, caso queiram recuperar os respetivos repositórios. E não adianta culpar a brigada de combate ao cibercrime: as chances de recuperação dos dados dependem apenas e só da cifra usada pelos cibercriminosos. Se a encriptação for a mesma que foi usada nos ataques levados a cabo no final de 2014 nos EUA… o resgate é mesmo a única alternativa.

 

«Nos EUA, houve grandes empresas que pagaram os resgates. Os cibercriminosos usaram cifras muito fortes que poderiam demorar dezenas ou centenas de anos a descobrir as chaves certas, com um sistema de brut force a testar todas as possibilidades», explica José Pina Miranda, especialista em criptografia e professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Leia o resto deste artigo »





IPv6: Já está preparado?

16 09 2014

  • Data: 2 de Outubro
  • Horário: 16h às 19h

Inscrição Gratuita

Leia o resto deste artigo »





PT Inaugura Data Center na Covilhã dia 23 de Setembro

21 09 2013

Na próxima segunda-feira será inaugurado na Covilhã o novo data center da PT, o maior da Europa e um dos maiores do mundo. Zeinal Bava, CEO da empresa, em entrevista à CNN:

 

CNN – Quest Means Business, Entrevista Zeinal Bava

Fonte: Computerworld

O centro de dados da Portugal Telecom (PT) vai ser inaugurado na manhã da próxima segunda-feira, 23 de Setembro, na Covilhã.

 

Centro de dados da PT

 

Anunciado em Fevereiro de 2011, com a promessa de criação de 500 postos de trabalho, o projecto foi então anunciado como “um dos maiores centros de dados da Europa, segundo a operadora, que o pretende dinamizar para investigação em TI e como pólo de exportação, associado a uma aposta em energias renováveis”.

 

Em Outubro desse ano, iniciou-se a construção na Covilhã, assumindo a operadora querer “impulsionar” o desenvolvimento económico da região. A inauguração foi apontada para o final de 2012.

 

Em Novembro de 2012, surgiram críticas pelo financiamento público do centro de dados, no âmbito do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), no valor de 17,3 milhões de euros para um valor elegível de 64,8 milhões de euros. Então, a data de inauguração do data center era apontada para o primeiro trimestre de 2013.

Leia o resto deste artigo »





Routers DrayTek-Descobrir as credenciais de acesso

23 05 2013

Por vezes, quando não são conhecidos os dados de acesso a determinado equipamento, por esquecimento ou pelo facto de quem definiu o login não ter disponibilizado e documentado essa informação, repor as definições de fábrica pode não ser uma opção de recurso. O tempo necessário para configurar o equipamento e o facto de não ter acesso às configurações existentes podem ser um entrave, principalmente quando os equipamentos se encontram em produção.

 

Falando de routers em concreto, muitas das vezes a primeira abordagem para aceder à configuração, não conhecendo as credenciais de acesso, passa por consultar o manual para identificar os dados de acesso por defeito à saída de fábrica, já  que muitas das vezes esses dados não são alterados, representando uma falha de segurança. Nos routers DrayTek, por norma o utilizador é admin e a password é admin ou sem password, dependendo do modelo e do firmware. Poderá visualizar uma lista com vários modelos aqui.

 

 

 

No procedimento a seguir demonstrador é utilizada a ferramenta draytools, que permite identificar os dados de acesso. Este método é  válido para alguns routers DrayTek Vigor, nomeadamente modelos 2xxx. Neste artigo foi utilizado o modelo 2820n.

image

Em primeiro lugar é necessário identificar o MAC Address (endereço físico) do router. Este normalmente está disponível numa etiqueta, no próprio router, na documentação ou caixa do equipamento.

 

 

 

É também  possível identificar o MAC Address apenas  com base no IP do router. Para isso na linha de comando do Windows poderá ser utilizado o comando:

arp –a XXX.XXX.XXX.XXX

image

Posteriormente deve descarregar o draytools aqui.

Leia o resto deste artigo »





CISCO CCNA

24 02 2013

Para juntar às certificações Microsoft e Primavera, obtive ontem a certificação CISCO CCNA (Cisco Certified Network Associate).

 

 

Este certificado tem um valor especial pela dificuldade acrescida, especialmente quando comparado com  alguns exames Microsoft, pelo investimento financeiro em formação e material de estudo, e pelo facto de ter abandonado a formação a meio, retomando meses depois. O exame foi adiado pelo menos 3 vezes.

 

 

Para obter este certificado poderá optar por 2 caminhos. O primeiro é obter aprovação num único exame, 640-802. O segundo é obter a aprovação nos exames 640-822 e 640-816. É possível realizar o exame ser ter frequentado qualquer formação oficial, no entanto é desaconselhado a menos que esteja a vontade em todas as áreas sobre as quais o exame incide.

 

Existem várias Academias CISCO em Portugal, onde poderá encontrar formação. Normalmente nas instituições de ensino como universidades o investimento é inferior quando comparado com centro de formação como Rumos, Galileu, etc. Para além de uma melhor preparação para o exame, o candidato tem contacto com um formador credenciado pela CISCO, com vários modelos de  equipamentos reais de switching e routing, e isso permite uma experiencia mais alargada com clara vantagem na absorção de conhecimento. Adicionalmente, os alunos da Academia CISCO têm acesso aos conteúdos online, que são preparados pela CISCO e são um excelente recurso de aprendizagem.

 

 

Na pirâmide de certificações CISCO, CCNA é uma das certificações de base (não é necessário obter a certificação CCENT para o exame CCNA), não obstante, tem um nível alto de exigência e alto grau de dificuldade, mesmo para quem trabalha na área de networking. O exame, para além das habituais perguntas de escolha múltipla, tem simuladores que implicam ter que introduzir comandos directamente na linha de comandos.

Leia o resto deste artigo »





Crie facilmente uma VPN com o LogMeIn Hamachi

2 12 2012

imageUma VPN é uma rede privada virtual que utiliza a internet para interligar duas ou mais redes locais, distintas, criando um túnel de entre elas. Existem várias formas de implementar uma VPN, com diferentes níveis de complexidade de infra-estrutura e custos.

 

Um exemplo prático de utilização de uma VPN é a necessidade de um utilizador remoto, um vendedor por exemplo, que se desloca  de cliente para cliente, necessitar de ter acesso a recursos de rede partilhados que se encontram na sede da empresa, como impressoras, pastas partilhadas e aplicações. Esse utilizador no seu dia a dia pode ligar-se a várias redes diferentes como à rede do seu operador de banda larga móvel, à própria rede dos clientes quando os visita, à rede domestica quando trabalha a partir de casa, ou a um ponto de acesso WiFi em um hotel.

 

A sede da empresa por sua vez, tem a sua rede interna onde os seus recursos não são visíveis a partir do exterior. Ao utilizar uma VPN é como se o utilizador estivesse dentro da rede da empresa, podendo no entanto encontrar-se fisicamente distante.

 

Leia o resto deste artigo »





Windows XP-Problema com adaptadores de rede

11 07 2012

 

Em determinadas circunstâncias, no Windows XP, todos os adaptadores de rede podem ficar com problemas.

image

Em cada adaptador, o estado é o seguinte:

“O Windows não consegue carregar o controlador de dispositivo para este hardware. O controlador pode estar danificado ou pode não existir. (Código 39)”

 

 

Uma das formas que poderá eventualmente resolver este problema passa por:

  1. Confirmar se o ficheiro ndis.sys existe na pasta c:\WINDOWS\system32\drivers. Em caso negativo deverá copiar esse ficheiro, para essa pasta, de outro computador com a mesma versão (XP), edição (Home ou Professional), e Serviçe Pack (SP1, SP2 ou SP3) do Windows.
  2. Reiniciar o computador.

 

Leia o resto deste artigo »





Prontos para o IPv6? – Evento Rumos

9 05 2012

 
 
imageA Rumos, está a promover um evento gratuito sobre o IPv6 que terá lugar em Lisboa e no Porto, durante o mês de Maio.
 
 
O IPv6 é a última versão do protocolo IP (a versão 4 é a que está em utilização neste momento, e a versão 5 foi uma versão de testes), protocolo que é responsável pela quase totalidade das comunicações entre dispositivos em rede.
 
 
 
 
 
 
Data:
– Lisboa: Hotel Villa Rica-Entrecampos – 22 de Maio
 
– Porto: Novotel Porto-Gaia – 24 de Maio
 
Das 9.00 – 13.00
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Agenda:
09:00 – Welcome Coffee
 
9:15 – Abertura do evento “Apresentação institucional Rumos”, Jorge Lopes (Coordenador Comercial Lisboa)/ Paula Magalhães (Coordenadora Comercial Porto)
 
09:30 – "Estado atual do IPv6 na Europa", Carlos Friaças, FCCN
 
10:15 – "Implementação do IPv6 nos sistemas e nas aplicações", Nuno Brandão & Ruben Oliveira, Rumos
 
11:00 – Coffee Break11:15 – "Implementação do IPv6 na infra-estrutura e nos serviços de rede, Paulo Baptista & Nuno Brandão, Rumos
 
12:00 – Case Study

12:45 – Perguntas e Respostas

13:00 – Fecho do Evento





Microsoft Loopback Adapter

1 01 2012

 

Windows 7 Network Basic Network Commands and their Usage [Introduction]O adaptador de rede Microsoft Loopback é um adaptador de rede virtual, que permite simular um adaptador de rede real e com isso uma ligação de rede. Este é um recurso muito interessante para utilizar em cenários de virtualização onde é necessária comunicação entre uma máquina real e uma virtual, ambientes de testes e estudo, ou mesmo quando alguma aplicação ou serviço, necessita de encontrar uma ligação de rede, activa, no processo de instalação ou para  seu normal funcionamento.

 

 

Como instalar o Microsoft Loopback Adapter?

No Windows 7 para iniciar o assistente de instalação de novo hardware execute o comando: hdwwiz na caixa de pesquisa do Menu Iniciar

 

No Windows XP: Menu Iniciar > Definições > Painel de Controlo > Adicionar hardware.

image

 

Leia o resto deste artigo »





CISCO IOS–Emuladores, simuladores, terminais e outros

6 11 2011

cisco-ccie-lab

Neste artigo pretendo reunir algum software fundamental para o estudo, simulação e até para apoio à administração de redes CISCO e do  sistema operativo IOS ( Internetwork Operating System).

Devido ao seu custo e complexidade, os equipamentos de rede da CISCO não são de fácil acesso, e quando estão implementados numa organização, normalmente já se encontram em produção de modo que é complicado utilizar os mesmos para testes. Nesse sentido existem disponíveis uma série de aplicações que permitem projectar e simular redes, de modo a que, com toda a comodidade possa no seu computador montar cenários complexos de rede e fazer toda a administração tal como num ambiente real.

De todas as aplicações disponíveis um especial destaque para o GNS3 que é um emulador. Ao contrário de outras aplicações como o Packet Tracer que será de longe o mais utilizado, também listado neste artigo, um emulador “corre” o sistema operativo propriamente dito, ou seja, o código real na integra. Isto significa que todos os comandos e funcionalidades estão disponíveis e o sistema comporta-se tal e qual como do sistema real se tratasse. Por sua vez o simulador Packet Tracer, embora seja produzido pela CISCO não tem todos os comandos e funcionalidades disponíveis num IOS real, tendo no entanto outras características que o GNS3 não possui, daí que são complementares.

Todas as aplicações aqui referidas são gratuitas. Existem no entanto outras disponíveis, algumas delas com custos de aquisição.

Emuladores e Simuladores

GNS3 (Windows, Linux e Mac OS X)

SNAGHTML1917aee

Ambiente de trabalho do GNS3

  • Permite correr IOS’s reais da CISCO (é necessário fornecer as imagens do sistema operativo).
  • Não emula Switchs.
  • Utiliza bastantes recursos do sistema operativo.
  • Permite correr sistemas de outros fabricantes como Juniper.

Leia o resto deste artigo »





Windows-Alterar o MAC Address de um adaptador de rede

29 03 2011

O MAC Address (Media Access Control address) é um endereço único, gravado no próprio hardware, presente em cada adaptador de rede, que permite identificar um computador ou outro dispositivo, numa rede, possibilitando desta forma que ele possa enviar e receber pacotes de dados.

 

image

 

Em condições normais, não há necessidade de alterar este endereço, a não ser para efeitos de teste, ou para resolver algum problema de ligação.

 

Por alguma razão desconhecida, ou porque simplesmente alguém bloqueou o nosso MAC Address num Router ou Access Point, pode acontecer que em determinado momento deixemos de nos conseguir ligar a uma rede/Internet, de forma permanente. Isto é muito comum em cafés, bibliotecas, etc. É aqui que surge a possibilidade de alterar o MAC, para ultrapassar este problema.

 

 

Leia o resto deste artigo »





Cisco IOS-Comandos mais utilizados no CCNA (PARTE II)

28 10 2010

 

Na sequencia do 1º post sobre o CISCO IOS, surge a 2ª parte, com mais alguns dos comandos utilizados no CCNA.

 

write memory

SNAGHTML8a7f8d

Sempre que alterar qualquer configuração corrente, deverá guardar a mesma no ficheiro de configuração do equipamento, utilizando o comando write memory. Caso não o faça, todas as configurações não guardadas na NVRAM, serão perdidas da próxima vez que o equipamento for reiniciado. Este comando é equivalente ao copy running-config nvram:startup-config.

Leia o resto deste artigo »





Cisco IOS-Comandos mais utilizados no CCNA (PARTE I)

27 10 2010

imageO IOS (Internetwork Operating System),  é o sistema operativo da maioria dos equipamentos da CISCO, como Routers e Switches. Este assunto é abordado no percurso do CCNA (Cisco Certified Network Associate), que é a base do programa de formação e certificação da CISCO.

 

 

O IOS, tal como qualquer outro sistema operativo, tem as suas especificidades. Ao contrário dos equipamentos direcionados para o mercado domestico e pequenos escritórios (SOHO – small office/home office), os equipamentos da CISCO não têm interface de configuração em modo gráfico, o que implica que o utilizador tenha obrigatoriamente que estar por dentro desta tecnologia para poder efectuar a sua configuração através do interface linha de comandos (CLI).

 

Untitled

 

Leia o resto deste artigo »





Windows–Colocar o Windows a gerir redes Wireless

15 10 2010

 

 

Muitos dos adaptadores de rede Wireless, possuem o seu próprio software para gerir as ligações WiFi, uma vez que podem explorar melhor as capacidades e funcionalidades do adaptador. No entanto, para muitos utilizadores, a configuração de rede passa a ser mais complicada, quando comparada com a simplicidade do Windows.

 

 

Aplicação da SMC para gerir adaptadores da mesma marca, activo.

image

 

 

 

Gestor de ligações Wireless do Windows desativado.

image

 

Leia o resto deste artigo »





Como Actualizar o Firmware de um Router

4 08 2010

image A actualização do firmware de um router é um procedimento que deve ser levado em conta quando existe algum problema que impede o normal funcionamento do mesmo ou de alguma das suas funcionalidades, ou simplesmente quando o router é novo e como ainda não entrou “em produção”, a actualização vem permitir que sejam evitados problemas futuros entretanto já resolvidos, e com isso que seja tirado o máximo de rendimento do equipamento.

 

Por esse motivo é altamente recomendado, que, caso de justifique, pondere fazer essa actualização. É um procedimento na maior parte das vezes, extremamente simples de executar. Caso não se sinta propriamente a vontade para o fazer, consulte um especialista na área.

 

Neste exemplo foi utilizado um SMC, modelo SMC7904WBRA2 EU. Os procedimentos variam conforme a marca / modelo.

 

 

 

Como fazer?

Procure obter o máximo de informação sobre o seu equipamento. O firmware na maior parte das vezes é diferente de marca para marca e de modelo para modelo. Dados como o modelo, part-number, versão, e numero de série são essenciais para identificar a actualização correcta.

image

 

 

Leia o resto deste artigo »





Academia CISCO – UTAD

13 05 2010

 

image 

UTAD abriu Academia CISCO a não estudantes.

 

Academia CISCO


imageUma Academia Cisco é um centro técnico de formação especializado em redes de computadores. Esta formação tem uma forte componente prática, sendo suportada na teórica por um extensivo programa de e-learning que disponibiliza aos alunos a capacidade de compreenderem as tecnologias da Internet, essenciais numa economia global.

 

A Academia Cisco da Escola de Ciências e Tecnologia da UTAD, faz parte do Cisco Networking Academy que é um programa lançado pela empresa Cisco com o objectivo de fomentar o ensino de redes de computador, nomeadamente desenhar, construir, resolver problemas das redes de computadores e torná-las seguras de forma a aumentar as oportunidades de acesso a carreiras em comunidades por todo o mundo.

 

Leia o resto deste artigo »





DNS – Como Limpar a Cache Local de DNS Para Resolver Problemas de Ligação de Rede.

1 04 2010

image Problema: Ao fazer uma conexão a um servidor utilizando o nome, ou o nome de domínio,  a ligação não tem sucesso, mas apenas em alguns computadores. Partindo do principio que existe ligação à rede, e que as configurações são semelhantes em todos os sistemas operativos e configurações de rede, o problema obviamente estará não do lado do servidor, mas sim no computador local do qual o acesso está a ser efectuado.

 

 

Uma das primeiras configurações a verificar é efectuar um ping ao servidor e ver qual é o respectivo IP. No caso deste exemplo, um ping para o endereço XXXX.gotdns.com devolvia, na máquina local o IP 62.48.212.6. No servidor, o IP era o 83.240.48.111, e portanto a razão para a falha estava precisamente aqui. Está a ser tentada uma conexão com um IP que já não é o da máquina onde queremos ligar.

 

 

Este é um problema relacionado com o DNS (Domain Name System). Toda a estrutura de uma rede, incluindo a Internet, assenta basicamente em endereçamentos IP (Internet Protocol), que funcionam como identificadores únicos, e é com base nesses IP’s que os equipamentos comunicam entre si. O objectivo do DNS é converter esses IP’s, em nomes, para que o utilizador comum não tenha de decorar cada endereço IP, até porque eles podem ser alterados, mas sim o nome do recurso, por exemplo de um site, ou de um computador. Simplificando, o DNS é como uma tabela que tem uma relação directa entre um nome e um IP de um recurso de rede. Essas tabelas são dinâmicas por forma a contemplar todas as actualizações e inserções dos recursos.

 

  • www.sapo.pt <> 213.13.146.140
  • Servidor1 <> 192.168.1.254
  • Impressora2 <> 10.0.0.1

 

Estes registos podem ser armazenados em vários locais numa estrutura de rede, como por exemplo no próprio servidor de DNS de uma empresa, no fornecedor de serviços à Internet, e localmente no nosso próprio sistema operativo. Todas as vezes que acedemos a um site por exemplo, o Windows vai construindo uma tabela que relaciona os nomes com os endereços. Esses registos vão sendo eliminados automaticamente de acordo com o seu tempo de vida (time to live ou TTL), que define o tempo a manter esses mesmos registos, até serem eliminados. Este tempo de vida tem por objectivo permitir que as informações de cada registo não se tornem desactualizadas em relação a uma possível actualização na fonte.

 

image

 

O problema descrito acima,  poderá ter origem na própria cache de DNS do sistema operativo que guardava um IP desactualizado, de uma ligação feita anteriormente.

 

Para resolver este problema, que poderá acontecer com alguma frequência quando ligamos a servidores, ou outros recursos de rede que não têm IP fixo, utilizando para tal o seu endereço de domínio, ou o nome, como por exemplo XXXX.gotdns.com é necessário limpar a cache DNS do sistema operativo, para que, na próxima ligação, o sistema operativo, como já não tem esse registo guardado localmente, seja forçado a consultar qual o IP do endereço utilizado,  num outro servidor de DNS.

 

 

Como fazer?

Menu Iniciar > Executar > CMD > OK

Na linha de comando escrever: ipconfig /flushdns 

Sem título

É exibida a mensagem “Cache de resolução DNS limpa com sucesso” quando o processo for finalizado. Se for feito um ping novamente ao endereço original podemos verificar que o endereço IP é agora outro, ou seja, o actual e o correcto.

 

Leia o resto deste artigo »





Fibra Óptica–O Futuro em nossas casas

23 02 2009

Untitled

Clix, ZON e TVTel são alguns dos operadores que já têm uma oferta TriplePlay (Internet, Voz, Televisão) assente em Fibra Óptica, para o mercado residencial.

A anunciarem velocidades máximas  até 100Mbps de download, inicialmente este tipo de ligações começa por estar apenas disponível nos grandes centros urbanos numa espécie de fase experimental. Os preços são bastante competitivos tendo em conta a velocidade apresentada. Porem, como qualquer tecnologia “de massas” a tendência é baixar progressivamente.

Muitas outras intuições começaram à muito a antecipar-se e criar elas próprias a sua rede. É o caso de muitas Universidades e Instituições de Ensino Superior que se encontram interligadas entre si por fibra. Recentemente um novo projecto, a Rede Comunitária de Banda Larga da Terra Quente Transmontana vai permitir interligar a alta velocidade os municípios de Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães, Macedo de Cavaleiros, Mirandela e Vila Flor, quer a nível de empresas, entidades públicas, e particulares. A Fibra Óptica é também utilizada para a interligação das infra-estruturas  de comunicação dos operadores, porem até agora nunca chegava directamente a casa do cliente final.

Numa fase em que convergência é a palavra de ordem no que toca a comunicações, o aumento da largura de banda é essencial para trazer novos e melhores serviços. A rede de cobre está a atingir os

Leia o resto deste artigo »








%d bloggers like this: