Apple iOS-Erro ao ligar a um Hotspot pessoal?

19 04 2019

A funcionalidade Hotspot Pessoal do iOS permite partilhar uma ligação de dados móveis do iPhone ou iPad (apenas algumas versões) com outros dispositivos que não tenham acesso a uma rede Wi-Fi ou ligação a dados móveis. Imagine que se encontra numa zona rural, distante, em que não existem redes Wi-Fi por perto, e necessita de partilhar a ligação à Internet, que tem no iPhone, com outros equipamentos, como por exemplo um iPad. Com o Hotspot, o iPhone, que está ligado à Internet através do operador de telecomunicações (dados móveis), partilha, via Wi-Fi, a ligação com outros dispositivos. É como se o iPhone fosse um router, ou um access point, com a vantagem de ambos os equipamentos poderem utilizar a ligação simultaneamente. Quando um iPhone ou iPad tem o hotspot ativado, está a disponibilizar a ligação a outros equipamentos e existem ligações ativas, não é possível ligar-se a uma rede Wi-Fi sem desconectar os utilizadores do hotspot. No caso de um Mac, PC, ou outros equipamentos de terceiros, também é possível aceder a um Hotspot pessoal através de uma conexão Bluetooth. A ligação via cabo USB também pode ser utilizada, mas apenas com Mac e PC. Mais detalhes aqui.

 

Em determinadas circunstâncias poderá ser mostrado um erro que impede a conexão de um dispositivo (neste exemplo um iPad) a um hotspot que foi configurado num iPhone ou iPad. Neste caso o meu iPad estava a tentar aceder ao hotspot que tinha configurado no iPhone.

 

Remote Hotspot Failure

Unable to start personal hotspot “nome_do_hotspot”

IMG_1698

Leia o resto deste artigo »

Anúncios




Oracle VM VirtualBox-Erro ao iniciar uma máquina virtual

23 02 2019

Recentemente tive necessidade de criar uma máquina virtual com o Primavera Express e outras aplicações de gestão, para copiar para vários computadores, no contexto de uma formação relacionada com aplicações de faturação. Existem várias aplicações para virtualização de sistemas operativos, algumas gratuitas, como o VMware Workstation Player e o VirtualBox, da Oracle. Optei por este último, já que, para além de ser gratuito, é muito simples de utilizar.

 

image

 

Após ter instalado o VirtualBox (versão 6.0.4) e copiado a máquina virtual para todos os computadores de todos os formandos, ao iniciar a mesma em alguns computadores, era mostrado um erro relacionado com o facto de o suporte à virtualização estar desativado.

IMG_5717

Error:

"VT-x/AMD-V hardware acceleration is not available on your system. Your 64-bit guest will fail to detect a 64-bit CPU and will not be able to boot."

 

Sem Título2

Error:

“Failed to open a session for the virtual machine “X”.

Details: Not in a hypervisor partition (HVP=0) (VERR_NEM_NOT_AVAILABLE).

VT-X is Disabled in the Bios for All CPU Modes.

(VERR_VMX_MSR_ALL_VMX_DISABLED).

…”

 

Estes erros estão relacionados com o facto de sistemas operativos 64 bits, como o caso do Windows 7 Professional da máquina virtual que criei, exigirem recursos de virtualização por hardware. VT-x no caso de processadores Intel e AMD-V para processadores AMD. Se o sistema operativo da máquina virtual for 32 bits, então, embora não tenha testado, presumo que possa iniciar a máquina virtual mesmo que o computador físico não tenha tecnologia de virtualização ou esta esteja desativada.

Leia o resto deste artigo »





Offload App-Uma funcionalidade dos equipamentos da Apple que pode ser perigosa

19 09 2018

A funcionalidade Offload App, que surgiu com o iOS 11 em 2017, introduziu a possibilidade de desinstalar uma aplicação mantendo os seus dados para uma eventual reinstalação futura. De facto esta funcionalidade é extremamente útil para libertar espaço nos dispositivos da Apple. No meu caso, que tenho um iPhone SE com 16GB, existe uma luta constante contra a falta de espaço, o que obriga a utilizar a funcionalidade Offload App constantemente.

 

A grande diferença entre desinstalar uma app e colocar a mesma em  modo Offload é que se desinstalar uma aplicação, ela é eliminada ao mesmo tempo que são eliminados todos os dados do utilizador, preferências e configurações. O ícone da app também é removido. Colocar uma app em offload apaga somente a app e mantem os dados desta no dispositivo, com o intuito de o utilizador reinstalar posteriormente a aplicação. O ícone da app permanece no sistema, porém é colocado o símbolo de uma nuvem atrás da descrição da App precisamente para distinguir estas apps das que estão efetivamente instaladas. Quando o utilizador carrega no ícone de uma app que está em modo offload, ela é descarregada naquele momento e passa a ficar sempre disponível a não ser que o utilizador volte a colocar a app novamente em modo offload.

 

IMG_3816

 

Até aqui tudo bem. A ideia é excelente e tudo funciona na perfeição. Até mesmo quando existe uma versão mais recente na App Store comparativamente à que estava instalada. Neste caso é descarregada a versão que estava instalada e não a última. O problema é quando a empresa ou o programador que desenvolveu a app decide retirar a mesma da App Store ou existe alguma outra situação que provoque que isso aconteça. Quando o utilizador pressionar o ícone da app vai ser informado que a app deixou de estar disponível para download. Sim, mesmo que tenha pago a mesma ou que tenha feito uma compra dentro da aplicação (inapp purchase). Se isto poderá não ser particularmente grave em aplicações que não guardam dados do utilizador, poderá passar a ser extremamente critico quando a app em questão permitia o acesso a dados que se encontram no equipamento e não existe aplicação alternativa para abrir esses dados que se podem encontrar num formato “proprietário”.

 

Foi precisamente isto que me aconteceu. Para conseguir instalar o iOS 12, que foi recentemente disponibilizado, devido à quantidade de espaço livre necessário para o processo vi-me obrigado a colocar todas as apps em modo offload, incluindo uma app que tinha instalado antes de Março de 2017. Nessa altura fiz uma compra dentro da app para desbloquear funcionalidades. Ainda assim, como o processo de update do iOS não estava a ser completado e era mostrado um erro, suspeitei que a origem do erro estivesse relacionada com o espaço disponível e acabei por instalar o iTunes e fazer o update através do computador. Já depois de ter o iOS 12 instalado, ao carregar em todas as aplicações que estavam em modo offload e que queria reinstalar, recebi uma mensagem a informar que não era possível instalar a aplicação em causa já que esta não estava mais disponível na App Store. Tinha sido a primeira vez que tinha colocado esta app em modo offload.

 

IMG_3809

IMG_3820

“Unable To Install “Photo Vault” The app is no longer available in the App Store.”

“Não foi possível instalar “iVault” A aplicação deixou de estar disponível na App Store.”

Leia o resto deste artigo »





Calculadora Gráfica Texas Instruments TI-Nspire CX-Dicas e Configurações

6 09 2018

IMG_3597Muitas das calculadoras gráficas, normalmente utilizadas no ensino secundário e universitário, vêm configuradas com determinadas opções que podem não ser as desejáveis tendo em conta o tipo de cálculo, ou a finalidade de a que se destinam.

 

A Texas Instruments TI-Nspire CX, que é a máquina que utilizo, é um autentico computador, com direito a um ecrã a cores retro-iluminado, teclado alfa numérico, sistema operativo actualizável, bateria recarregável e touchpad para interação com o sistema através de um cursor.

 

Tal como outras máquinas mais avançadas, também este modelo permite comunicação com o computador, através do software da Texas, possibilitando assim a instalação de programas e a inserção de dados, já que estes podem ser inseridos no computador e transferidos posteriormente para a máquina.

 

A máquina suporta também alguns periféricos, como um adaptador de rede wireless, para a utilização em sala de aula, docking station, entre outros. A respeito da utilização da máquina em ambiente de sala de aula e de exames, existe um modo de teste que permite que o professor bloqueie várias funcionalidades da máquina, assim como acesso aos conteúdos das pastas, deixando ativas apenas as funcionalidades pretendidas. Mais informação aqui.

 

image

 

O interface gráfico e os menus da máquina são muito intuitivos. Se é um utilizador habitual de atalhos de teclado no Windows, poderá ser interessante saber que muitos deles funcionam na máquina, como por exemplo o ctrl+c para copiar, ctrl+v para colar, tab, etc..

 

Utilizar esta calculadora apenas para cálculos matemáticos simples, como somar, subtrair, multiplicar e dividir, poderá resultar, conforme as configurações da máquina, em resultados diferentes (mas equivalentes), comparativamente aos resultados de uma máquina comum, simples. Ou seja, poderá ser apresentado o resultado numa forma alternativa de representação do mesmo valor. Isto tem o nome de notação científica. Mais informações aqui.

 

IMG_3578

 

Quando são apenas efetuados estes tipos de cálculos simples, como na área da contabilidade, por exemplo, talvez faça mais sentido utilizar uma máquina básica. Uma máquina gráfica tem uma maior complexidade. Normalmente estas máquinas fazem cálculo geométrico, geram gráficos, têm folha de cálculo, cálculo estatístico, probabilístico e financeiro, matrizes e vetores entre outras funcionalidades. Estas máquinas, como seria de esperar, permitem ainda a utilização de símbolos matemáticos.

 

Efetivamente as configurações desta máquina, nomeadamente as descrições utilizadas, podem não ser óbvias para o utilizador, pelo menos para os mais leigos no assunto tal como eu, relativamente ao impacto que provocam. Isto pode tornar difícil efetuar alterações.

Em baixo explico como alterar dois comportamentos da máquina.

 

 

 

Como alterar as configurações da máquina para apresentar todas as casas decimais?

De origem a máquina vem configurada para “Dígitos apresentados”=”Flutuante 6”. Isto significa que:

1600000*0.7831 = 1.25296E6

image

No meu caso, e para as minhas necessidades em que a máquina é essencialmente utilizada no curso de Gestão, pretendo visualizar o resultado sem o E, ou seja, pretendo ver o resultado como se fizesse a operação de cálculo numa simples máquina calculadora de bolso, sem ver o resultado em notação matemática.

Leia o resto deste artigo »





Autenticação através das veias da palma da mão chega em breve ao Windows 10 Pro

10 02 2018

Resultado de imagem para fujitsu palmsecureDepois de a autenticação biométrica através da impressão digital e do rosto se terem massificado em vários dispositivos de vários fabricantes, a tecnologia PalmSecure, da Fujitsu, vai dar mais um passo em frente após a Microsoft e a Fujitsu terem criado uma parceria que vai permitir que os utilizadores do Windows 10 Pro possam passar a autenticar-se através da leitura do desenho das veias da palma da mão. Esta tecnologia de autenticação contactless  existe há vários anos e está presente em alguns equipamentos de gama empresarial onde a segurança é um fator primordial.

  

Palm Vein

 

 

Fonte: tek.sapo.pt

A parceria entre a Microsoft e a Fujitsu significa que os utilizadores do Windows 10 Pro vão poder usar a tecnologia PalmSecure para aceder aos seus computadores com o Windows Hello.

Resultado de imagem para fujitsu palmsecure

 

O sistema de autenticação PalmSecure recorre a tecnologia de segurança biométrica que captura a imagem do desenho das veias da palma da mão através do reflexo da emissão de ondas de frequência curta. Uma vez que a hemoglobina desoxidada do sangue absorve parte das ondas emitidas é possível reduzir o rácio de reflexo e fazer com que as veias apareçam sob forma de padrão numa imagem capturada.

Como os padrões das veias são únicos e têm caraterísticas detalhadas, é comparado com um padrão pré-registado para autenticar o indivíduo.

Leia o resto deste artigo »





Windows-Ocultar utilizadores do ecrã de login

30 11 2016

Nem sempre é desejável visualizar no ecrã de login do Windows determinadas contas de utilizadores, nomeadamente contas que não são utilizadas por nenhum utilizador real, contas “não interativas” associadas a serviços e aplicações. Por exemplo, se no Windows for criada uma conta para o serviço PRIMAVERA Windows Services, certamente não existe qualquer interesse que os utilizadores visualizem e utilizem essa conta.

 

image

 

 

Através da edição do Registo é possível ocultar determinados utilizadores.

Aceda às contas de utilizador (carregue simultaneamente em Windows+R e execute o comando “control userpasswords2” ou “netplwiz”). Localize e anote o nome de utilizador que pretende ocultar.

image

 

 

Abra o editor de Registo de Windows (Windows+R e execute “regedit”)  e navegue até

HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows NT\CurrentVersion\Winlogon.

Em cima de Winlogon, carregue com o botão direito do rato e adicione uma nova chave com o nome “SpecialAccounts”.

image

Agora clique em cima de “SpecialAccounts”, novamente com o botão direito do rato e crie uma nova chave com o nome ”UserList”.

Leia o resto deste artigo »





Eliminação permanente de dados

25 08 2016

Uma das preocupações quando determinado equipamento ou meio de armazenamento é emprestado ou é utilizado de forma partilhada, vendido ou enviado para reparação ou para o lixo/abate deveria ser assegurar que os dados nele contidos estão seguros e que ninguém para além do seu legitimo proprietário terá acesso a eles, e também, se for o caso, garantir que toda a informação é eliminada previamente sem possibilidade de recuperação. No entanto a realidade é bem diferente, ou por desconhecimento ou por simples descuido.

 

Talvez não seja do conhecimento geral, que em determinados sistemas, como por exemplo no sistema operativo Windows, quando os dados são eliminados (mesmo após eliminar da Reciclagem), em determinadas circunstâncias ainda existe hipótese de esses dados serem recuperados. Principalmente num contexto empresarial, este assunto pode ser muito sério uma vez que dados sensíveis em mãos erradas podem ter como resultado consequências muito negativas.

 

image

 

Utilizando apenas software gratuito  e facilmente descarregado da Internet é possível eliminar dados de forma permanente, excluindo à partida qualquer recuperação futura. Um desses utilitários é o prestigiado CCleaner do fabricante Piriform, que embora seja principalmente utilizado para otimização e limpeza do sistema possui outras funcionalidades como a possibilidade de eliminação de dados (Wipe).

 

Como exemplo, recorrendo ao software Recuva que é utilizado para recuperação de dados, ao fazer uma pesquisa por dados “recuperáveis”, numa partição de uma unidade de armazenamento que após ser utilizada foi formatada pelo utilizador, não possuindo portanto dados “visíveis” através do Explorador do Windows, o resultado foi que, conforme a imagem demonstra, existem muitos dados passíveis de serem recuperados.

SNAGHTML29afb6cb

 

 

Após descarregar e instalar o CCleaner, em Tools > Drive Wiper podemos selecionar  as unidades de armazenamento e/ou partições em que queremos eliminar dados, assim como podemos escolher se pretendemos eliminar tudo (Entire Drive), ou apenas o espaço livre, mantendo eventuais dados que queiramos preservar. É ainda possível escolher em Security o tipo de segurança pretendida.

SNAGHTML29b0974a

Leia o resto deste artigo »








%d bloggers like this: