Apple iOS-Erro ao ligar a um Hotspot pessoal?

19 04 2019

A funcionalidade Hotspot Pessoal do iOS permite partilhar uma ligação de dados móveis do iPhone ou iPad (apenas algumas versões) com outros dispositivos que não tenham acesso a uma rede Wi-Fi ou ligação a dados móveis. Imagine que se encontra numa zona rural, distante, em que não existem redes Wi-Fi por perto, e necessita de partilhar a ligação à Internet, que tem no iPhone, com outros equipamentos, como por exemplo um iPad. Com o Hotspot, o iPhone, que está ligado à Internet através do operador de telecomunicações (dados móveis), partilha, via Wi-Fi, a ligação com outros dispositivos. É como se o iPhone fosse um router, ou um access point, com a vantagem de ambos os equipamentos poderem utilizar a ligação simultaneamente. Quando um iPhone ou iPad tem o hotspot ativado, está a disponibilizar a ligação a outros equipamentos e existem ligações ativas, não é possível ligar-se a uma rede Wi-Fi sem desconectar os utilizadores do hotspot. No caso de um Mac, PC, ou outros equipamentos de terceiros, também é possível aceder a um Hotspot pessoal através de uma conexão Bluetooth. A ligação via cabo USB também pode ser utilizada, mas apenas com Mac e PC. Mais detalhes aqui.

 

Em determinadas circunstâncias poderá ser mostrado um erro que impede a conexão de um dispositivo (neste exemplo um iPad) a um hotspot que foi configurado num iPhone ou iPad. Neste caso o meu iPad estava a tentar aceder ao hotspot que tinha configurado no iPhone.

 

Remote Hotspot Failure

Unable to start personal hotspot “nome_do_hotspot”

IMG_1698

Leia o resto deste artigo »





WorkOutDoors-Uma excelente App para monitorizar atividade física no Apple Watch

10 02 2019

xrWebDdX_400x400Apesar do Apple Watch ser um smartwatch caro, direcionado para o segmento mais alto deste mercado, a verdade é que deixa a desejar em alguns aspetos, nomeadamente ao nível de software. Algumas das aplicações da Apple são muito limitadas nas suas funções. Estas falhas são colmatadas muitas das vezes por aplicações de terceiros.

 

É o caso da App WorkOutDoors, uma aplicação (disponível apenas para iOS) para registar exercício físico, que tem a particularidade de ser a única App que utiliza um mapa (do mundo inteiro). Este mapa, ou melhor, uma parte dele, pode ser descarregado para o Apple Watch, o que faz com que a aplicação não dependa nem de uma ligação à Internet, nem do iPhone por perto. A App funciona com todos os modelos do Apple Watch, embora no S0 e S1, como não têm GPS, dependem do iPhone.

 

Outra das funcionalidades mais interessantes desta aplicação é a sua capacidade de personalização. Conforme o tipo de exercício que o utilizador pretende fazer, poderá configurar a informação mostrada pelo relógio, utilizando para isso métricas, gráficos e botões. Os mapas são baseados no OpenStreetMap. O preço da App, 5,49 EUR, inclui o acesso a todas as zonas do globo, não existindo nenhuma funcionalidade dentro da App que seja paga.

 

 

Imagens da App no iPhone

A App Workouts é utilizada apenas para analisar os dados das atividades físicas, configurar os ecrãs da App do relógio, importar rotas e descarregar mapas para o relógio. 

No primeiro ecrã da App, em Workouts, é mostrada a lista de sessões de atividade física. Ao selecionar uma sessão de exercício é possível aceder aos seus detalhes (imagem à direita). Neste exemplo, uma caminhada, é  possível visualizar todos os detalhes, como o percurso realizado, a velocidade, elevação, calorias, passos, etc..

IMG_5642IMG_5648

Apesar de não ter testado, a App permite a exportação e  importação de ficheiros em formato GPX. Estes ficheiros são utilizados para a transferência de dados entre aplicações e dispositivos GPS e guardam rotas, percursos, trilhas e waypoints. Se já participou em provas de BTT, ou outras provas que impliquem algum tipo de orientação, provavelmente estará familiarizado com estes ficheiros. É muito comum os organizadores de uma determinada prova de desporto, de BTT por exemplo, disponibilizarem este ficheiro com o percurso que os participantes devem seguir. A App também permite fazer o upload de dados para o Strava, uma das Apps mais populares para o registo de atividades fisicas.

Na opção Screens são mostrados todos os ecrãs que podem ser utilizados nos vários tipos de exercícios (imagem à esquerda). Estes ecrãs são totalmente configuráveis pelo utilizador. Esta é uma das grandes vantagens desta App. Tudo, ou quase tudo, é personalizável. Desde o layout e tamanho do texto, até à escolha das métricas, que são mais de 160, que são mostradas em cada ecrã (imagem maior).

IMG_5643IMG_5644

IMG_5645 

 

Na opção Map Downloads o utilizador pode selecionar uma área no mapa que será descarregada para o relógio (primeira imagem). A vantagem é poder ter acesso ao mapa, no relógio, sem depender de Internet e de uma ligação ao iPhone. Simplesmente pode sair para fazer exercício físico apenas com o Apple Watch.

IMG_5646IMG_5647

 

 

 

Imagens da App no Apple Watch

Nas 2 imagens seguintes podemos visualizar a App no Apple Watch. Na imagem à esquerda é mostrado o ecrã da caminhada. Na imagem da direita é mostrado o mapa, sem nenhuma outra informação, para quando o utilizador quer visualizar o mapa sem iniciar nenhum exercício. Para aceder a esta funcionalidade basta escolher a primeira opção da App: “Map – just a map – no workout”.

O mapa vai rodando automaticamente à medida do percurso. Esta é uma funcionalidade muito importante para o utilizador conseguir interpretar o mesmo de forma rápida e clara. Uma vez que a App utiliza um mapa vetorial, o utilizador pode mover o mapa, com um só dedo no ecrã e fazer zoom, com a coroa do relógio.

Não foram esquecidos os indicadores da percentagem da bateria e do sinal GPS (5 barras na parte superior do ecrã), que até disponibiliza a precisão, em metros, conforme o sinal detetado a cada momento.

IMG_4371IMG_4389

Leia o resto deste artigo »





Problemas com a App do Apple Watch após as mais recentes atualizações do iOS e watchOS?

13 10 2018

A App Watch é a aplicação que permite configurar o relógio da Apple, o Apple Watch. Em determinadas circunstâncias esta App pode informar o utilizador que não se encontra ligado à Internet. Este aviso pode ser mostrado ao procurar por atualizações do watchOS ou ao aceder à App Store, dentro da App Watch.

 

img_9477img_9488 (2)

 

No meu caso este problema passou a acontecer depois de ter atualizado o iOS para  a versão 12.0.1 e o watchOS para a versão 5.0.1. Logicamente que o iPhone estava conectado à Internet. Apenas esta App em concreto estava a reportar que não havia conectividade. Todas as tentativas de desligar o interface WiFi e voltar a ligar, ou ligar a uma rede diferente, eram infrutíferas.

 

IMG_4187IMG_4188

“Unable to Check for Update

Checking for a software update failed because you are not connected to the Internet.”

 

Apesar de parecer óbvio para qualquer utilizador de tecnologia, o simples desligar e voltar a ligar um equipamento numa primeira tentativa de resolução de um problema, pode ser das últimas coisas que um utilizador dos dispositivos da Apple se lembra de fazer. Isto pode ter uma razão de ser. É que o hardware e o software da Apple estão de tal forma optimizados um para o outro, que é muito raro existirem problemas que são resolvidos desta forma. Aliás, reiniciar o iPhone (ou qualquer outro equipamento Apple) para muitos utilizadores é um procedimento executado raramente. Por norma o equipamento é desligado apenas quando fica sem bateria.

Leia o resto deste artigo »





Offload App-Uma funcionalidade dos equipamentos da Apple que pode ser perigosa

19 09 2018

A funcionalidade Offload App, que surgiu com o iOS 11 em 2017, introduziu a possibilidade de desinstalar uma aplicação mantendo os seus dados para uma eventual reinstalação futura. De facto esta funcionalidade é extremamente útil para libertar espaço nos dispositivos da Apple. No meu caso, que tenho um iPhone SE com 16GB, existe uma luta constante contra a falta de espaço, o que obriga a utilizar a funcionalidade Offload App constantemente.

 

A grande diferença entre desinstalar uma app e colocar a mesma em  modo Offload é que se desinstalar uma aplicação, ela é eliminada ao mesmo tempo que são eliminados todos os dados do utilizador, preferências e configurações. O ícone da app também é removido. Colocar uma app em offload apaga somente a app e mantem os dados desta no dispositivo, com o intuito de o utilizador reinstalar posteriormente a aplicação. O ícone da app permanece no sistema, porém é colocado o símbolo de uma nuvem atrás da descrição da App precisamente para distinguir estas apps das que estão efetivamente instaladas. Quando o utilizador carrega no ícone de uma app que está em modo offload, ela é descarregada naquele momento e passa a ficar sempre disponível a não ser que o utilizador volte a colocar a app novamente em modo offload.

 

IMG_3816

 

Até aqui tudo bem. A ideia é excelente e tudo funciona na perfeição. Até mesmo quando existe uma versão mais recente na App Store comparativamente à que estava instalada. Neste caso é descarregada a versão que estava instalada e não a última. O problema é quando a empresa ou o programador que desenvolveu a app decide retirar a mesma da App Store ou existe alguma outra situação que provoque que isso aconteça. Quando o utilizador pressionar o ícone da app vai ser informado que a app deixou de estar disponível para download. Sim, mesmo que tenha pago a mesma ou que tenha feito uma compra dentro da aplicação (inapp purchase). Se isto poderá não ser particularmente grave em aplicações que não guardam dados do utilizador, poderá passar a ser extremamente critico quando a app em questão permitia o acesso a dados que se encontram no equipamento e não existe aplicação alternativa para abrir esses dados que se podem encontrar num formato “proprietário”.

 

Foi precisamente isto que me aconteceu. Para conseguir instalar o iOS 12, que foi recentemente disponibilizado, devido à quantidade de espaço livre necessário para o processo vi-me obrigado a colocar todas as apps em modo offload, incluindo uma app que tinha instalado antes de Março de 2017. Nessa altura fiz uma compra dentro da app para desbloquear funcionalidades. Ainda assim, como o processo de update do iOS não estava a ser completado e era mostrado um erro, suspeitei que a origem do erro estivesse relacionada com o espaço disponível e acabei por instalar o iTunes e fazer o update através do computador. Já depois de ter o iOS 12 instalado, ao carregar em todas as aplicações que estavam em modo offload e que queria reinstalar, recebi uma mensagem a informar que não era possível instalar a aplicação em causa já que esta não estava mais disponível na App Store. Tinha sido a primeira vez que tinha colocado esta app em modo offload.

 

IMG_3809

IMG_3820

“Unable To Install “Photo Vault” The app is no longer available in the App Store.”

“Não foi possível instalar “iVault” A aplicação deixou de estar disponível na App Store.”

Leia o resto deste artigo »





Kit de ligação de câmara para iPad-Nenhuma fotografia para importar

28 12 2013

image

O Kit de ligação de câmara para iPad permite importar fotografias e vídeos para o iPad, a partir de uma câmara com coneção USB, ou a partir de um cartão de memória SD.

 

 

 

 

Em determinadas circunstâncias, ao utilizar este kit, poderá ser erradamente mostrada a seguinte mensagem “Nenhuma fotografia para importar” / “No photos to import”.

 

image

Leia o resto deste artigo »





iPad-Gestplus Faturação Mobile

18 08 2013

A Apple AppStore tem disponível mais uma aplicação de facturação made in Portugal, desenvolvida pela empresa Microplus, adaptada à realidade fiscal portuguesa. O Gestplus Faturação Mobile é uma aplicação desenvolvida para iPhone e iPad, preparada para emitir facturas certificadas (programa certificado nº 986), comunicação de documentos de venda à AT, assim como, mais recentemente, comunicação de documentos de transporte em tempo real (portaria 161/2013) à Autoridade Tributária e Aduaneira.

 

Ao contrário da App TapInvoice, que já mereceu destaque neste blog, o Gestplus Faturação Mobile tem uma particularidade muito importante que é o facto de depender de uma ligação à Internet permanente, já que toda a infra-estrutura está alojada na cloud, sendo o Gestplus Faturação Mobile “apenas” uma forma de aceder à informação. Existe um backoffice que permite, recorrendo a um simples navegador, ter acesso à informação. O modelo de licenciamento é SaaS, o que significa que o utilizador paga uma quantia, periodicamente, para poder utilizar o software, ao contrário do TapInvoice que  funciona no modelo clássico de licenciamento perpétuo. O utilizador paga uma só vez.

 

A aplicação está preparada para imprimir documentos para a impressora Bluetooth Zebra IMZ320, assim como para impressoras compatíveis com o sistema HP ePrint, e envio de documentos por email.

 

iPad-Photo 2013-08-18 17_08_51

 

Poderá descarregar a aplicação sem qualquer custo e testar as capacidades da mesma antes de se decidir a optar por um dos dois planos, Micro com valor de 15 Euros / Mês e Profissional pelo valor de 35 Euros / Mês (valores sem IVA). Poderá comparar as funcionalidades de ambos os planos nesta página.

A aplicação está preparada para funcionar quer na horizontal, quer na vertical. A navegação é muito simples e intuitiva, sendo muito rápida a inserção e edição de registos.

 

 

 

Algumas imagens do Gestplus Faturação Mobile:

Ecrã inicial de login

iPad-Photo 2013-08-18 17_09_33

 

 

 

Ecrã com as funcionalidades da aplicação

iPad-Photo 2013-08-18 17_09_44

Leia o resto deste artigo »





CISCO IOS–Emuladores, simuladores, terminais e outros

6 11 2011

cisco-ccie-lab

Neste artigo pretendo reunir algum software fundamental para o estudo, simulação e até para apoio à administração de redes CISCO e do  sistema operativo IOS ( Internetwork Operating System).

Devido ao seu custo e complexidade, os equipamentos de rede da CISCO não são de fácil acesso, e quando estão implementados numa organização, normalmente já se encontram em produção de modo que é complicado utilizar os mesmos para testes. Nesse sentido existem disponíveis uma série de aplicações que permitem projectar e simular redes, de modo a que, com toda a comodidade possa no seu computador montar cenários complexos de rede e fazer toda a administração tal como num ambiente real.

De todas as aplicações disponíveis um especial destaque para o GNS3 que é um emulador. Ao contrário de outras aplicações como o Packet Tracer que será de longe o mais utilizado, também listado neste artigo, um emulador “corre” o sistema operativo propriamente dito, ou seja, o código real na integra. Isto significa que todos os comandos e funcionalidades estão disponíveis e o sistema comporta-se tal e qual como do sistema real se tratasse. Por sua vez o simulador Packet Tracer, embora seja produzido pela CISCO não tem todos os comandos e funcionalidades disponíveis num IOS real, tendo no entanto outras características que o GNS3 não possui, daí que são complementares.

Todas as aplicações aqui referidas são gratuitas. Existem no entanto outras disponíveis, algumas delas com custos de aquisição.

Emuladores e Simuladores

GNS3 (Windows, Linux e Mac OS X)

SNAGHTML1917aee

Ambiente de trabalho do GNS3

  • Permite correr IOS’s reais da CISCO (é necessário fornecer as imagens do sistema operativo).
  • Não emula Switchs.
  • Utiliza bastantes recursos do sistema operativo.
  • Permite correr sistemas de outros fabricantes como Juniper.

Leia o resto deste artigo »








%d bloggers like this: