Impressão 3D – Uma revolução tão grande como foi a Internet

2 02 2018

Excelente artigo do jornalista Edgar Caetano, do jornal electrónico Observador, sobre Impressão 3D e o impacto que esta tecnologia tem e que se estima que virá a ter na industria, economia e na nossa sociedade. Este artigo é um excelente overview sobre esta tecnologia, de onde destaco:

 

“… o diretor-geral da HP Portugal afirmou que “dificilmente conseguimos imaginar, nos dias de hoje, uma tecnologia que vá ter uma repercussão tão grande na economia e na indústria de produção como a impressão 3D”. “Vai ser um dos grandes impulsionadores da quarta revolução industrial”, afirmou José Correia …”

“… podem evaporar-se até 40% das trocas comerciais entre os países …”.

 

 

 

Fonte: observador.pt

O investimento em impressão 3D está a crescer ao triplo da velocidade da produção tradicional na indústria. A "revolução" está a chegar, garantem especialistas citados num relatório do banco ING.

 

Daqui a menos de 20 anos, um em cada dois produtos industriais será impresso em 3D. Isto diz-lhe pouco? Pois: “quando a Internet foi inventada, poucas pessoas imaginaram o impacto enorme que ela teria na forma como vivemos e trabalhamos. A impressão 3D pode ser uma repetição da História“. A frase é de um economista do banco holandês ING que elaborou um relatório aprofundado sobre a impressão 3D e sobre as últimas inovações nesta área, capazes de levar esta tecnologia da “infância” atual para uma revolução comparável à Internet. Uma preocupação fundamental do relatório é a seguinte: quando tudo for impresso em 3D, localmente, o que é que vai ser do comércio entre os países ou, por outras palavras, com que é que se vai encher os navios-contentores?

 

 

Em entrevista por telefone com o Observador, Raoul Leering, economista do ING especializado em comércio internacional e autor do relatório, afirma que com a impressão 3D podem evaporar-se até 40% das trocas comerciais entre os países — não só as que viajam em navios-contentores mas por qualquer outra via. Se a impressão 3D evoluir tão rapidamente quanto se prevê no estudo, quase metade dos produtos irá deixar de ser fabricada num país e, depois, viajar até mais perto do consumidor final. Vão passar a ser impressos muito mais perto do local onde vão ser consumidos — desde peças de automóveis até comida, passando por roupa e calçado, próteses de ossos ou, mesmo, órgãos internos.

 

Imagine o seguinte cenário, muito simples: o leitor comprou um smartphone novo e precisou de uma capa protetora. Foi a um centro comercial, a uma retalhista ligada à tecnologia e escolheu uma capa que lhe pareceu ser robusta e com um design de que gostou, embora não tenha sido concebida a pensar em si. Alguém que nunca irá conhecer na vida desenhou aquela capa com o objetivo de atrair o maior número de pessoas, investiu-se na criação de um molde, o produto foi fabricado aos milhares, no modelo tradicional, num qualquer país longínquo, e aquele modelo viajou até à sua mão (e, também, até à mão do cliente seguinte, que também gostou daquela capa).

 

Num modelo clássico de economia linear, vai andar com a capa protetora até ela se estragar ou até se fartar dela, e aí o processo volta ao início. Num futuro em que a impressão 3D é dominante, as coisas vão mudar.

 

Com a impressão 3D, em vez de ir à loja (física ou online) e escolher uma capa entre aquelas de que há stock, a única coisa de que precisa é de um ficheiro que pode encontrar nas dezenas de sites que já existem de modelos para impressão 3D, como o Thingiverse.com, e fazer o mesmo que faz quando quer imprimir um conjunto de fotografias: vai ao mesmo centro comercial mas em vez de escolher uma capa entre o stock disponível, dirige-se a uma loja onde a sua capa favorita pode ser impressa em poucas horas. Melhor: com o crescimento deste mercado e das apps associadas, não será preciso um curso de engenharia para saber criar uma capa ao seu gosto ou, pelo menos, fazer adaptações personalizadas que vão torná-la verdadeiramente única.

 

E até poderá nem precisar de sair de casa para receber aquela capa. Nos últimos anos, impressoras 3D que não custam mais do que algumas centenas de euros passaram a poder ser compradas lá para casa, já com alguma capacidade para criar produtos com qualidade razoável. Contudo, não será tanto por aí, para já, segundo o diretor-geral da HP Portugal, uma das empresas mais conhecidas na área das impressoras não só industriais mas, também, domésticas. Para José Correia, o modelo dos service providers, os prestadores de serviço como a impressão de fotografias, é o que faz mais sentido no curto prazo e no paradigma de consumo que hoje existe, diferente de há algumas décadas, em que mais se contrata serviços do que se compra produtos.

 

 

Apesar de a tecnologia já existir há várias décadas, nos últimos anos têm-se registado várias inovações técnicas e uma multiplicação do investimento neste segmento, um indicador de que a tecnologia está finalmente a dar “o salto”. “A impressão 3D ainda está na infância, pelo que ainda tem um impacto pequeno no comércio internacional, mas isto vai mudar quando a impressão 3D de alta velocidade fizer com que passe a ser viável a produção em grande escala com impressoras 3D“, afirma Raoul Leering, acrescentando que esse momento está iminente: “os primeiros passos técnicos já foram dados”.

 

Numa apresentação a um grupo de jornalistas, em Oeiras, na semana passada, o diretor-geral da HP Portugal afirmou que “dificilmente conseguimos imaginar, nos dias de hoje, uma tecnologia que vá ter uma repercussão tão grande na economia e na indústria de produção como a impressão 3D”. “Vai ser um dos grandes impulsionadores da quarta revolução industrial”, afirmou José Correia, no dia em que celebrou uma parceria com uma empresa da Marinha Grande — a 3D Ever — para ser o primeiro revendedor autorizado da gama de impressoras 3D industriais da HP, a tecnologia MultiJet Fusion.

 

“A HP está atenta ao mercado da impressão 3D há muito tempo”, assinalou José Correia. Mas, reconhece o diretor-geral da HP Portugal, “demorámos algum tempo porque acreditámos que a tecnologia que existia naquele momento não era a tecnologia que nós víamos para desenvolver esta área”. Isso está agora a mudar, e a HP Portugal tem vindo a apresentar vários modelos de impressoras 3D que vão ajudar a trilhar o caminho até a uma maior massificação deste modo de produção revolucionário. Isso passa não só pelas máquinas mas, também, pelos materiais cada vez mais polivalentes e acessíveis.

 

Materiais mais polivalentes, mais resistentes e mais baratos. E técnicas de impressão cada vez mais sofisticadas, incluindo de peças móveis. FOTO: Edgar Caetano/OBSERVADOR

Leia o resto deste artigo »

Anúncios




Poly!-A micro Impressora 3D versátil, made in Italy

2 11 2017

Enquanto os fabricantes ligados à impressão convencional, como por exemplo a HP, Epson, Canon, entre outros, não entram no mercado de Impressão 3D “de consumo”, isto é, segmento doméstico, várias empresas por todo o mundo, muitas delas startups, vão explorando e desenvolvendo a tecnologia de impressão 3D trazendo-a até aos consumidores finais e às suas casas.

 

Por razões históricas a HP é, para muitas pessoas, sinónimo de impressoras (embora fabrique muitos outros produtos). Este fabricante  atua desde há vários anos na área do 3D, mas apenas no segmento empresarial (mais detalhes aqui). Foi precisamente uma Impressora 3D da HP, do tamanho de um frigorifico, que cativou toda a minha atenção e entusiasmo, numa feira de tecnologia, SIMO, que visitei seguramente há mais de 10 anos em Madrid. Cativou a minha atenção e seguramente a de muitos outros visitantes da feira, que acompanhavam com “olhos de criança que assiste a um espetáculo de magia”, todo o processo de impressão, em que  camada a camada, a impressora estava a construir, se não estou em erro, uma maquete de uma casa.

 

 

Nas grandes cadeias de distribuição de informática de consumo, como por exemplo a Worten, Media Markt, Fnac, não encontramos “ainda” Impressoras 3D desenvolvidas pelos mesmos fabricantes das impressoras comuns (papel), mas começamos a encontrar, de forma muito discreta e com pouca oferta, impressoras e filamentos de empresas mais recentes e menos conhecidas da globalidade dos consumidores. No dia em que a HP colocar no mercado uma Impressora 3D “de levar para casa”, aí sim, certamente irá ser o momento em que a revolução 3D irá acelerar provavelmente a passos largos. Neste momento o crescimento e a propagação desta tecnologia no segmento domestico é lento uma vez que é uma tecnologia que ainda não é para as massas mas sim principalmente para os makers/curiosos e para profissionais que necessitam de alguma forma de efetuar prototipagem rápida a baixo custo.

 

Em Portugal temos o exemplo a BEEVERYCREATIVE e a Blocks Technology que desenvolvem produtos e serviços de excelência, mas de certa forma semelhantes e equivalentes. Em Espanha, a BQ têm evoluído muito na área 3D, com uma gama ampla de produtos 3D, não só impressoras mas também filamentos. Um pouco por todo o mundo outras startups tentam ir mais além e destacar-se com produtos diferenciadores, com custos cada vez mais baixos e cada vez menos complexos. Um desses exemplos é o caso da 3DRap, uma empresa Italiana, sediada em Avellino, que está a desenvolver a Poly! Conheci esta impressora numa das visitas que fiz à feira Technology Hub que tem decorrido anualmente em Milão. Em 2018 esta feira irá ter lugar de 17 a 19 de Maio.

 

 

A Poly! é uma (micro) impressora construída com algumas peças impressas em outra Impressora 3D, portátil (pesa menos de 1 Kg), que para além de imprimir em 3D, pode ser utilizada (após a troca de determinado(s) componente(s)) para gravação a laser (para gravar em madeira e papel por exemplo), impressão com chocolate em vez de plástico, desenho em papel (utilizando uma caneta). Conta ainda com uma bateria que permite utilizar a impressora sem uma tomada de energia por perto. A dimensão da área de impressão, como seria de esperar, é de apenas 66mm x 60mm x 60mm. Permite imprimir por exemplo porta-chaves, legos e outros projetos de dimensão reduzida. Seguramente não será o suficiente para imprimir uma capa para telemóvel, um suporte para sabonetes ou uma jarra para colar na sala (que seja minimamente visível).

Placeholder

Resultado de imagem para Poly! 3d printer

 

Não sendo uma impressora em KIT (o que obrigaria a montar a impressora peça a peça), a Poly! tem como desígnio ser uma impressora para todos, desde os entusiastas, curiosos, crianças, designers, makers, e obviamente para o sector da Educação. A Poly!  tem conectividade com o computador, tem ainda um interface micro SD e também pode receber ordens de impressão via smartphone (apenas Android) já que está equipada com um interface Bluetooth. A Poly! conta ainda com um sistema magnético (pouco comum em impressoras de baixo custo) que vai permitir trocar de forma fácil e rápida o(s) componente(s) que permitem que a impressora assuma as várias funcionalidades que anteriormente indiquei.

 

Resultado de imagem para Poly! 3drap

 

Leia o resto deste artigo »





Spin-off da PRIMAVERA avança para a América Latina e mercado europeu

16 09 2017

Fonte: PrimaveraBSS

A Valuekeep, spin-off do grupo PRIMAVERA BSS, e a Totum Service acabam de estabelecer um acordo para o fornecimento exclusivo da solução de gestão de manutenção de ativos da tecnológica portuguesa para todos os projetos da consultora internacional em curso por toda a Europa e América Latina, com especial incidência em mercados como o Brasil, Chile e Espanha.

A Totum Service tem mais de 20 anos de experiência na área de serviços de manutenção e, com esta parceria estratégica, pretende elevar a sua oferta de serviços para clientes atuais e potenciais nas áreas de otimização da gestão da manutenção diária de ativos e reforçar o processo de expansão territorial por toda a Europa e América Latina.

 

Resultado de imagem para Valuekeep

 

Para Miguel Pardo, CEO da Totum Service, "com uma solução de gestão da manutenção de ativos como a Valuekeep estamos preparados para otimizar o processo de gestão da manutenção dos nossos clientes, independentemente da localização dos projetos. O nosso portfólio carecia de uma solução global que aportasse flexibilidade e mobilidade aos nossos projetos. Esta parceria com a Valuekeep permite-nos realmente dar um passo importante rumo à revolução industrial 4.0”.

Leia o resto deste artigo »





PRIMAVERA e IEFP assinam protocolo para qualificação tecnológica

24 07 2017

Fonte: PRIMAVERA Business Software Solutions, S.A.

 

Parceria estratégica, aplicável a todos Centros de Emprego e Formação Profissional do país, pretende combater o desemprego, formando novos profissionais para áreas tecnológicas com forte procura e potencial de crescimento. A cerimónia de assinatura decorreu esta tarde na sede da PRIMAVERA e contou com a presença do Vice-Presidente do Instituto, Paulo Feliciano.

 

A PRIMAVERA BSS e o Instituto de Emprego e Formação Profissional – IEFP, I.P acabam de celebrar um protocolo de colaboração a nível nacional que pretende contribuir para o aumento da empregabilidade e formação tecnológica das pessoas inscritas nos diversos Centros de Emprego do país, proporcionando a aquisição de competências em soluções de gestão PRIMAVERA.

 

Resultado de imagem para iefp

Resultado de imagem para primaverabss

 

Ao abrigo deste protocolo, que surge no âmbito do projeto PRIMAVERA Education, os cursos de Gestão, Contabilidade, Ciências Empresariais e Sistemas de Informação ministrados pelo IEFP, passarão a incluir formação prática e gratuita na utilização das soluções de gestão da tecnológica portuguesa, assim como laboratórios de simulação empresarial – uma nova componente prática que permitirá aos formandos desenvolver competências nas novas ferramentas de digitalização e modernização disponíveis para os setores da Logística, Contabilidade e Gestão, Recursos Humanos, Retalho e Restauração, Construção Civil e Indústria, entre outros.

Leia o resto deste artigo »





e-book Como Escolher Melhor seu ERP

19 07 2017

O processo de seleção de um sistema ERP em qualquer organização é um processo que deve ser muito bem definido e estruturado. Implementar e manter um ERP implica por norma custos altos além da alocação de uma série de outros recursos. Equacionar e colocar em causa a relação custo/beneficio é vital. Dado ser um processo critico, tendo em conta a importância vital e nuclear de um ERP no seio de qualquer organização, uma escolha menos acertada poderá ter um impacto muito negativo. Definir e medir objetivos, antes, durante e depois de todo o processo é fundamental.

 

O portal brasileiro portalerp.com disponibiliza um guia (em português do Brasil) com uma série de passos para ajudar no processo de seleção de um sistema ERP, evidenciando os pontos chave em todo o caminho a percorrer.

 

Clique na imagem para descarregar o guia (PDF)

image

 

Fonte: http://pages.portalerp.com/ebook13passosparamelhorescolherseuerp_set16

 

É importante ESCOLHER corretamente o ERP para sua empresa ?
Muitos problemas nas empresas são decorrentes da falta de planejamento e estratégia na decisão de escolha do sistema de gestão.

 

Quais os benefícios da CORRETA escolha de um ERP ?
Empresas que utilizam seus sistemas de forma otimizada e eficiente geram, segundo estimativas, um ganho de produtividade de 26% e redução dos custos de TI em 14%.

Leia o resto deste artigo »





Tem uma PME? Não se fique pelos programas de facturação

6 09 2016

Fonte: www.artsoft.pt

 

Muitas vezes as empresas de menor dimensão procuram programas de facturação simples que respondam às suas obrigações legais. Geralmente disponíveis em pacotes e preços acessíveis, estes programas de facturação são também fáceis de utilizar.

Contudo, e independentemente do tamanho da empresa, o gestor deve sempre considerar a hipótese de adquirir um ERP (Enterprise Resource Planning), uma solução que vai além dos programas de facturação, e que pode representar uma vantagem competitiva face à concorrência.

Muitas vezes as empresas de menor dimensão procuram programas de facturação simples que respondam às suas obrigações legais. Geralmente disponíveis em pacotes e preços acessíveis, estes programas de facturação são também fáceis de utilizar.

Contudo, e independentemente do tamanho da empresa, o gestor deve sempre considerar a hipótese de adquirir um ERP (Enterprise Resource Planning), uma solução que vai além dos programas de facturação, e que pode representar uma vantagem competitiva face à concorrência.

 

image

 

Leia o resto deste artigo »





Ordem dos Contabilistas perde para fabricantes de software

2 08 2016

Fonte: www.computerworld.com.pt

Um tribunal de Lisboa obriga a organização a revelar o processo de decisão de fornecimento do software TOConline e AFE. O caso está a ser acompanhado por comissão parlamentar.

 

 image
 

O Tribunal Administrativo de Lisboa obrigou a Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) a conceder as informações a um grupo de 28 fabricantes de software de gestão, sobre o processo de decisão de fornecer aos membros da organização profissional o software TOConline e AFE. Estes foram desenvolvidos pela OCC, mas os fabricante alegam que ela está legalmente impedida de comercializar produtos.

Leia o resto deste artigo »








%d bloggers like this: